El Ojo 2017

Vai subir no palco da inovação ou ser apenas groupie da nova propaganda?

posada

Acompanhando as mudanças comportamentais em todo o mundo, o universo da comunicação também vive sua mudança drástica nos últimos tempos. Um novo palco para construir o mercado está nascendo, mas evidentemente não é para todos. O que você prefere? Ser membro de uma grande banda ou vai se contentar com o time dos groupies, que a tudo assiste extasiado? Essa é a questão central de todo pensamento intrínseco na apresentação de Juan José Posada, Chief Creative Officer de Geometry Global para a América Latina.

Para o executivo, muitas agências estão apenas olhando o show acontecer ao invés de atacar os instrumentos e dominar os palcos. Dois fatores demonstram isso de maneira bastante especifica em sua opinião. “A maioria das agências é ruim. Sabe por que? Várias delas são comodity. Oferecem a mesma coisa e não aprendem todo o resto. A única diferença entre elas é o preço. Além disso, várias delas desprezam disciplinas que são essenciais para o cliente, como o trade marketing, o shopper marketing, entre tantas outras”, defende Posada.

Para exemplificar trabalhos que vão na contramão desse comportamento letárgico e vão muito além de um comercial de televisão, o CCO da Goemetry Global exibiu para o público o case “Flora for fauna”, criado pelo escritório da agência em Hong Kong. O briefing era desafiador: combater na Ásia a consciência de que o consumo local de afrodisíacos provoca a matança indiscriminada de espécies como o tigre e o rinoceronte. O problema afeta principalmente a Colômbia, já que as espécies são caçadas no país para vender nesse mercado. A ideia foi simples, mas com um gigantesco impacto: promover a troca de afrodisíacos ilegais por um realmente sustentável. Confira:

Outro case dissecado no palco por Posada foi “Posters For Catching Fishermen". A campanha criou cartazes em formatos de rede de pesca, que tem a função prática de ajudar as comunidades pesqueiras do Caribe ameaçadas pela invasão do venenoso peixe-leão. Cada uma das peças tem informações sobre toxicologia, tratamento de picadas, e mesmo como capturar esse tipo de espécie.

Freelancers

Outro aspecto essencial para subir com propriedade no palco da inovação, segundo Posada, é a sintonia com os novos modelos de trabalho, as mais recentes composições de estrutura e equipe e, principalmente, aprender a batida dos millennials, muitas vezes freelancers que não querem “se casar com as agências”.

Além dessa filosofia, de acordo com o executivo, muitas vezes esses profissionais representam uma figura que você quer ter dentro da equipe, mas não pode pagar. A solução? Freela. “Antes de criticar os millennials, devemos entende-los. Eles são criativos híbridos e fazem mais de uma coisa. Esses doidos são assim... Você pergunta o que eles são e eles dizem: sou redator, mas também gosto de editar vídeos. E é aí que precisamos ser cuidadosos e fazer com que eles desenvolvam todas as suas potencialidades”, afirma Posada.

Ainda sobre as novas relações de trabalho na propaganda, o publicitário focou a importância de dar flexibilidade e condições para que os profissionais de hoje tenham mais qualidade de vida. “Pode ser que isso exija um pouco mais de investimento, mas sai muito mais barato que perder novos talentos todos os dias. Nos últimos dois anos perdemos apenas uma dupla criativa”.

Rosada explicou que há alguns meses uma de suas melhores redatoras demonstrou a vontade de deixar a agência para passar mais tempo com os seus filhos. Entre as queixas, estava sobretudo a passada carga dos dias de sexta-feira. A sugestão da agência conseguiu demover a profissional da ideia. Hoje ela trabalha apenas quatro dias da semana e folga na sexta. Para isso, admitiu ganhar um pouco menos. Sua questão era o tempo e não o dinheiro, neste caso.   

Para finalizar, o CCO da Geometry defendeu que as agências grandes não vão desaparecer, nem as pequenas e muito menos as médias. Mas sim as mais lentas, aquelas incapazes de acompanhar a evolução de seus clientes.

A cobertura do festival El Ojo Festival de Iberoamerica tem patrocínio da Squid e apoio da Klan011.

Deixe seu comentário: