Finalizar ou não finalizar uma série. Eis a questão!

pennydreadful

Como reconhecer qual é o momento em que se deve terminar de contar uma história? Essa decisão se torna mais difícil quando se fala sobre séries de TV. Muitas vezes, os números de audiência são satisfatórios, os fãs continuam apaixonados, pedindo sempre mais, e todos os profissionais envolvidos contam com uma renovação por mais um ano sem se preocupar em encontrar um novo trabalho. Mas e se aquela série, aqueles personagens, já “deram o que tinham que dar”?

Na última semana, as redes sociais comentaram à exaustão o fato de que só teremos mais 13 episódios de Game of Thrones, divididos em duas temporadas. Os fãs protestaram, a imprensa ressaltou como a série continua a crescer não só em audiência, mas também em qualidade, só que os produtores declararam que é importante para eles terminar a história no topo. Esse também foi o argumento do criador de Penny Dreadful, que surpreendeu a todos finalizando a série no último episódio de sua terceira temporada, sem que ninguém suspeitasse. O argumento aqui foi que a trajetória de Vanessa Ives (Eva Green) havia sido completada, portanto não haveria mais o que dizer. Será?

De qualquer maneira, há vários exemplos de séries que foram além de seus melhores momentos, e com isso, perderam audiência, qualidade, credibilidade. Na última segunda-feira, dia 27, o canal Sony começou a exibir, com um considerável atraso, a oitava temporada de Castle, uma série que sempre foi divertida, interessante, romântica e inteligente. Mas nessa temporada, os produtores e roteiristas optaram por separar por algum tempo o casal principal, responsável pela maior química da série. E ainda pior, chegaram a anunciar que se a série fosse renovada, a atriz principal, Stana Katic, não retornaria “por contenção de custos”. Os fãs protestaram, e a rede ABC, que exibe Castle nos Estados Unidos, ouviu, e aparentemente evitou o que seria um vexame de uma nona temporada sem a atriz ao anunciar seu cancelamento. Muito melhor teria sido que houvessem terminado a série ao final de sua sétima temporada, que teve até uma bela e emocionante cena, que teria sido perfeita como “series finale”.

Outro exemplo do gênero é Bones, que assim como Castle, também tem como tema um casal que investiga crimes. A 11ª temporada começará a ser exibida no canal Fox Life na semana que vem, dia 7 de julho, às 22 horas. No final da anterior, até os próprios personagens, Booth e Brennan (David Boreanaz e Emily Deschanel) já demonstravam que começavam a sentir sinais de cansaço. Chegaram até a fazer Booth voltar ao seu vício de jogar, algo que vai contra tudo aquilo que o público esperava de seu herói. O final da temporada parecia um final de série, quando o casal decidiu encerrar seus trabalhos e a começar de novo com foco na vida e não na morte. Mas aí houve a renovação. E mais uma vez, sem ter o que fazer, os produtores e roteiristas resolvem separar os dois atores (e sua química fundamental para o sucesso) quando Booth desapareceu misteriosamente. Uma 12ª temporada, mais curta, já está confirmada, mas muitos dos fãs que numa determinada época ansiavam pelas aventuras do agente e da cientista, já debandaram para outras séries.

Mas ainda há também o caso em que se poderia imaginar que a série deveria ter terminado por causa de uma temporada totalmente errada, e ela acaba se recuperando. É o caso de The Good Wife que volta com sua temporada final ao canal Universal no final de julho. A série teve uma quinta temporada brilhante e uma sexta desastrosa, onde inventaram uma situação onde Alicia(a premiada Julianna Margulies) é destituída do cargo para o qual foi eleita . Não funcionou!  Mas a sétima e última conseguiu resgatar os momentos em que a série era considerada uma das mais inteligentes da TV. Valeu a pena esperar.

Ou seja, como reconhecer qual é o momento em que se deve terminar de contar uma história? Ninguém ainda achou a resposta...

Deixe seu comentário: