11 previsões de marketing que você deve ignorar em 2018

previsões pra ignorar

Início do ano é tempo de projeções. Muitas delas são de fato importantes de se considerar e levar para o resto do ano, mas há também aquelas boas para...se ignorar. Isso mesmo, você leu correto, aquelas que não servem para muita coisa ou não adicionam no nosso conhecimento. E para facilitar seu trabalho, Chad Pollit, um dos 20 CMOs mais influentes do mundo, fez uma lista das que nós devemos desconsiderar. Todos prontos?

Ah, antes vale lembrar que elas não estão em ordem específica, ok?

  1. O mercado de influencers entrará em colapso

Um artigo discutiu como milhões de dólares haviam sido desperdiçados e como as marcas encontram muito pouco sucesso usando influenciadores de nível médio ou micro.

A única coisa que passa por dificuldade no marketing de influência são 3 multi-channel networks. São elas as redes de influenciadores construídas pela Disney, Fullscreen e StyleHaul - todas as quais tiveram demissões. Além dessas, existem outras vinte e duas redes multicanal que estão crescendo e contratando.

Todas as pesquisas e estudos que eu olhei mostraram o crescimento do mercado influenciador, com orçamentos e adoção previstos para continuar a crescer em 2018.

Por quê? É simples - as marcas estão fazendo US$6,50 por cada US$1 gasto em marketing influenciador.

  1. Marketing de voz será um diferencial

Embora este canal seja muito intrigante e pareça promissor para o futuro, está longe para adoção significativa em qualquer departamento de marketing.

Não haverá uma avalanche de marqueteiros que criem aplicativos no próximo ano, ou no ano seguinte. Seria um completo desperdício de tempo para a grande maioria das marcas investirem na voz nesta fase inicial, e elas não vão.

  1. Império dos blogs decairá em favor da ascensão dos vídeos

Sim, a adoção de vídeo cresce e se torna mais barata, com tecnologia melhor e mais fácil de usar. O streaming ao vivo tornou-se muito popular, e todas essas tendências continuarão em 2018. No entanto, sugerir que de alguma forma o vídeo acabará com os blogs no próximo ano é um desejo na melhor das hipóteses - e louco na pior delas.

Com mais de 2 milhões de postagens escritas todos os dias (esse número cresce de forma incremental a cada ano), 2018 não será o ano em que as marcas começam a fazer vídeos em vez de blogs. Eles farão ambos, assim como eles fizeram este ano.

  1. Uma nova métrica para dominar as outras

Alguém previu que em 2018 veremos o surgimento de uma nova métrica que tomará o lugar do CPM, CPC e CPL em mídia paga. Este desejo ilusório não considera que, em 2017, muitas empresas nativas de tecnologia de publicidade começaram a se mover para um modelo de custo por engajamento (CPE) - isso é significativo, porque este é o conteúdo da métrica que os profissionais esperavam.

Além disso, a previsão não explica o aumento da tecnologia Blockchain (sistema de registros que garante a segurança das operações realizadas por criptomoedas) este ano. É o Blockchain que terá o maior impacto na mídia paga e seus KPIs no próximo ano. Esta tecnologia aliviará muitas das queixas que as empresas de marketing têm sobre as métricas atuais.

No próximo ano, não veremos uma nova métrica para ordenar a todas.

  1. Realidade Aumentada e Social vão se integrar

Algo precisa acontecer antes que o social passe pelo tapete vermelho da realidade aumentada (AR). Há muito se entendeu que a realidade virtual (VR) é a ponte tecnológica para AR. Claro, o Pokémon Go foi um grande sucesso, mas é um jogo, e não uma mídia social.

No próximo ano, as empresas de redes sociais terão tanto interesse em AR quanto as marcas que clamam por isso - ou seja, não muito. Procure o Facebook para obter uma adoção em massa com Oculus antes de integrar AR - e isso também não acontecerá no próximo ano.

  1. Pop-Ups vão desaparecer

Isso não seria bom? Todos odeiam pop-ups, certo? Claro que sim, no entanto, existe um problema crítico com esta previsão - pop-ups funcionam.

Claro, em 2016, o Google anunciou que começaria a penalizar sites que usassem essa ferramenta, mas isso não impedia que ninguém as usasse.

A ideia de que 2018 é o ano mágico que os profissionais de marketing de todo o mundo vão despertar e retirar seus pop-ups é uma loucura. Enquanto continuarem a dar retorno, nunca irão embora.

  1. Twitter vai encolher e morrer aos poucos

Embora seja verdade que o crescimento da base de usuários do Twitter foi estagnado, particularmente em comparação com outras plataformas sociais de alto crescimento, isso não altera o fato de ainda ter mais de 330 milhões de usuários ativos que enviam mais de 500 milhões de tweets por dia.

E outro fato pouco conhecido (eu não acredito que o Twitter sabe disso), é que o Google Analytics faz 1/3 dos relatórios de tráfego a partir do Twitter. Você conhece esse canal no Analytics chamada "tráfego direto"? Até um terço do seu tráfego do Twitter está lá, de forma oculta.

Uma vez que a inteligência artificial está totalmente integrada nas análises utilizadas pela maioria daqueles que trabalham com marketing, esse problema desaparecerá, então, de repente, nós ficaremos maravilhados com todo esse novo tráfego do Twitter que estamos recebendo. Isso impulsionará o investimento incremental do lado da plataforma.

  1. O Marketing Digital virará Hiper-Local

O marketing digital não irá a qualquer lugar no próximo ano. Claro, o hiper-local pode ser uma estratégia viável para alguns, mas 2018 não é um ano especial em que todos os mais de US$ 205 bilhões de dólares americanos gastarão magicamente em busca de hiper-local.

Não haverá uma mudança enorme para a segmentação hiper-local no próximo ano.

  1. Instagram superará todos os outros canais sociais como o "Go-To" para marcas

Não, não vai. Terá que superar o YouTube e o Facebook primeiro.

Para realmente competir com o YouTube em relação a dólares publicitários, seria mais do que duplicar sua base de usuários. Para superar o Facebook por dólares de anúncios, quase teria que triplicar sua base de usuários. Nada disso acontecerá em breve, e muito menos em 2018.

Esta previsão é falsa.

  1. A comercialização de mídia social orgânica basicamente desaparecerá

Se essa previsão for verdadeira, a outra apresentada depois desta deveria ter sido a opinião de que Buffer, Hootsuite, Sprout Social, SocialOomph, Agora Pulse, Sendible, CoSchedule, etc. fecharão suas portas e sairão de negócios em 2018.

Isso não é provável que aconteça. Você sabe o motivo? Porque o marketing orgânico de redes sociais NÃO desaparecerá basicamente no próximo ano.

  1. Marcas com sites que não são móveis – não terão de fato um site

Apenas 30% do seu tráfego dos site vem de mobile, mas 70% da sua base o acessa via desktop, então a projeção é que esse movimento não cesse tão cedo.

Eu não estou defendendo o abandono da mobilidade amigável, mas estou dizendo que nem todos estão interessados ​​em visitar seus sites favoritos via celular. O ano não será capaz de derrubar seu site se ele não for responsivo.

São as previsões acima que me fizeram morder os dentes nas últimas semanas. Não se deixe enganar por elas.


Chad Pollitt contribui para o HuffPost, Guardian e é co-fundador da Relevance & former.

Deixe seu comentário: