"O que tinha de ser roubado já foi, inclusive meu texto"

Adriane Galisteu, Ísis Valverde e Thiago Gagliasso. Todos têm algo em comum: compartilharam um texto do jornalista pernambucano Thiago Falcão no Facebook sem dar os devidos créditos.
 
A postagem do rapaz ganhou ainda mais repercussão nos últimos dias, depois de ser compartilhada por Joana Havelange, filha do ex-presidente da CBF, João Havelange, e diretora do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo. Ela reproduziu o texto em sua conta no Instagram. Veículos de todo o País repercutiram a mensagem, muitas vezes dando a entender que as palavras eram da própria Joana.
 
Falcão, que é jornalista, disse que existe um incomodo no sentido de observar que as pessoas se apropriam de um pensamento como se fosse delas. "Ao mesmo tempo, eu percebo que o texto foi um verdadeiro desabafo nacional, de todos que estão insatisfeitos com a política", diz o rapaz ao Adnews. "O que tinha de ser roubado já foi, inclusive meu texto", complementa.
 
O jornalista afirma que não foi procurado por nenhum repórter para falar sobre a autoria do texto. "E acho um absurdo ver veículos de comunicação sem o interesse de checar de fato de quem foi a autoria", retifica.
 
"Eu acredito que todos nós estamos insatisfeitos com o atual momento do país. Sabemos que muito foi investido em estádios e que poderíamos ter investimentos em muitos outros setores. Contudo, atacar a Copa não é o caminho", ressalta. Falcão defende que o brasileiro, no atual momento, precisa exibir sua cordialidade. "Não devemos manchar mais a imagem do País lá fora. Precisamos mostrar que, acima de tudo, não somos ignorantes, muito pelo contrário, seremos maduros entendendo que o momento agora é fazer bonito", finaliza.
 
Confira o texto de Thiago Falcão na íntegra:
 
"Não apoio, não compartilho e não vestirei preto em dia nenhum de jogo do Mundial. Quero que a Copa aconteça da melhor forma. Não vou torcer contra, até porque o que já tinha que ser gasto, roubado, já foi. Se fosse para protestar, que tivesse sido feito antes. Eu quero mais é que quem chegue de fora, veja um Brasil que sabe receber, que sabe ser gentil. Quero que quem chegue, queira voltar. Quero ver um Brasil lindo. Meu protesto contra a Copa será nas eleições. Outra coisa, destruir o que temos hoje, não mudará o que será feito amanhã."
 
Por Leonardo Araujo

Deixe seu comentário: