Bem bolado: marca brinca com tabu e faz a cabeça do público

das

Sejamos sinceros: não é sempre que a comida rotineira e a publicidade que vemos todos os dias empolgam. Suprimidas pela rotina, a propaganda e a alimentação muitas vezes têm que diminuírem a originalidade para manter a qualidade. Avessos a essa regra que assola diversos locais, os sócios Gabriel, Matheus, Tomas e Philip, resolveram se unir para abrir um lugar que vendesse comida de outro modo e também conversasse com o público de um jeito diferente.

Moradores de Campinas, os quatro amigos utilizaram o que aprenderam na faculdade e conheceram em viagens para conceber uma nova maneira de vender. Inspirado no conceito fast casual e no sucesso do restaurante de comida mexicana Chipottle, o quarteto lançou em 2016 o Guaco.

Com identidade visual alinhada com as tendências gastronômicas, o projeto tem se destacado pela forma de divulgar o seu branding. Viralizado pelo mundo afora com um outdoor que, segundo os idealizadores, fez até a polícia passar vontade, os campinenses expandem as fronteiras das duas unidades de sua lanchonete.

Na foto que se tornou icônica, dois agentes da lei aceleram de moto a frente de uma peça em OHH que com picardia alerta que “A última vez que você viu algo tão bem bolado era ilegal”. Para entender melhor o sucesso da inserção, confira abaixo a postagem no Facebook que em poucos dias já foi compartilhada quase quatro mil vezes:

 

Para entender melhor o conceito da marca, a história por trás dela e as estratégias publicitárias para fazer a cabeça do público, conversamos com os seus idealizadores. Se liga no bate-papo

Qual a história da Guaco?

Tudo começou no final de 2014, quando o Gabriel e o Tomás começaram a conversar sobre abrir um negócio na área da gastronomia. Pensamos em abrir um restaurante tipo Jimmi Johns (rede que apareceu aperfeiçoando o Subway, e que tomou conta do mercado de sanduiches subs) mas no final chegaram à conclusão de que o tempo era certo para abrir um restaurante tipo Chipotle já que a base da comida era arroz e feijão, a comida clássica da marmita brasileira.

Percebemos também que não conseguíamos comer comida mexicana digna, pelo menos em Campinas, que fosse do mesmo nível da que havíamos nos acostumado a comer morando nos Estados Unidos. Parecia quase que a comida Mexicana havia virado um mercado nicho, caro, exclusivo, e redes como Si Señor estavam fazendo sucesso, com comida cara, pouco autêntica, e de baixa qualidade. O sucesso desses restaurantes nos parecia surreal- e enquanto isso sentíamos saudade do restaurante Mexicano mais respeitado da história do mercado mundial: o Chipotle.

Decidimos começar pelo produto. Cozinhamos só pra curtir um Burrito e matar a saudade, e ver o quão complicado seria. Deu certo, e passamos vários finais de semana nos encontrando e fazendo burritos. Na época fazíamos a massa nós mesmos. Acreditávamos ser essencial para a marca que tudo fosse feito na loja. Inclusive as tortilhas.

De lá para cá, expandimos o projetos e até hoje o Gabriel, Matheus, Tomas, Philip, e a nossa cozinheira Mara estão presentes desde o primeiro instante até o nascimento real do GUA.CO, quando ele finalmente saiu do papel e começou a servir burritos. Nesse período nós conseguimos aprender muito sobre os erros que tínhamos nas receitas e nas estipulações feitas a respeito do funcionamento da nossa linha de produção. Sem essa etapa de eventos teste não estaríamos preparados para abrir o restaurante e atender o público como estávamos no dia 10/09/2016 quando abrimos as portas.


Alguns dos sócios pondo a mão na massa

Qual a proposta da marca?

Tivemos acesso a esse tipo de restaurante na faculdade e em viagens- e fazia anos que sonhávamos e acreditávamos que: ‘quem trouxer o burrito pro Brasil vai se dar bem’. Para explicar porque acreditamos que o burrito vai se tornar um commoditie, como a pizza e hambúrguer já são pelo mundo, acreditamos que o modelo fast casual seja essencial.

Como vivemos num mundo onde a consciência coletiva sobre a saúde, a alimentação, e a ecologia cresce diariamente - onde as pessoas têm menos tempo - não é à toa que o fast-casual é o tipo de restaurante que mais cresce no mundo. Entre eles, o fast-casual mexicano está na liderança e o carro chef é o Burrito; um produto extremamente prático - pode ser considerado um prato e um lanche ao mesmo tempo, pode se comer com as mãos e viaja com facilidade.

No GUA.CO acreditamos na qualidade dos nossos produtos, mantendo sempre em mente a comida saudável e a acessibilidade do nosso restaurante. Servimos nossa comida rapidamente de maneira personalizada para cada cliente a um preço justo. Nossas opções são coloridas, amplas e compostas de verduras e frutas variadas que constituem uma dieta saudável, tornando o restaurante atrativo para qualquer tipo de dieta. É uma solução para um problema real no país, onde o único fast-casual que existe e que domina o mercado no almoço é o por quilo

Como surgiu a ideia do outdoor que viralizou?  

O outdoor que viralizou foi nosso segundo outdoor principal. Para ser sincero esse outdoor é uma tradução que vem de uma campanha de marketing já existente em algumas marcas de wraps e burritos americanos. Os wraps são 'rolled' iguais um baseado, e o burrito também - seguem o mesmo verbo - e por isso teve a abertura dessa piada.

A diferença principal eu diria é que em português houve um aperfeiçoamento da piada, já que o termo 'bem bolado' é uma expressão comum e mais versátil do que 'rolled' - tendo outros significados. No final, a tradução ficou melhor do que a peça original em Inglês. Entendemos que isso pode gerar um certo desconforto e que algumas pessoas podem até nos acusar de plágio, porém tomamos essa decisão de maneira consciente- queríamos muito trazer a piada para o mercado brasileiro e acreditamos que ressonaria com nosso público alvo (18-35 anos).

O primeiro outdoor fica na entrada de Barão Geraldo, do lado da base da Polícia Civil. Quando fomos tirar a foto do outdoor que havia sido instalado, coincidentemente estavam passando 4 viaturas que acabaram saindo na foto.

Isso foi uma das peças fundamentais para que o outdoor viralizasse pela primeira vez. Na segunda vez que colocamos o outdoor na cidade, numa área mais nobre e menos universitária, ficamos parados na avenida esperando para que alguma viatura da polícia passasse para tirarmos outra foto similar- e deu certo, rs.

Em quais vias vocês veicularam a peça?

Iniciamos colocando no outdoor da entrada principal de Barão Geraldo ( (onde fica a UNICAMP, FACAMP, e PUCCAMP). Acabamos de colocar novamente em duas das avenidas principais da cidade- a Norte Sul (Av José de Souza Campos) e na Moraes Salles.

Como está a repercussão da peça?

Ótima, ela viajou muito mais longe do que imaginávamos. Nas redes sociais fizemos um boost com bastante dinheiro que o paid reach não passou do organic reach- indicando que teve uma resposta muito forte de sharing e tagging entre nossos seguidores e pessoas que descobriram a marca. Criou um brand awareness muito positivo pra gente, especialmente entre nosso publico alvo.

Há planos para outras publicidades nesse molde provocativo?

Com certeza. Temos várias ideias, inclusive nosso primeiro outdoor começou com um trocadilho que planejamos sempre levar para as cidades onde abriremos novas unidades: "Taco fome? Burrito é quem não come." gostamos muito desse trocadilho como um outdoor introdutório já que é engraçado, chamativo, descolado, e ao mesmo tempo cita nossos produtos principais. 

Acabamos de lançar uma outra campanha "Confie no seu taco." Está num outdoor também na Norte-Sul e está indo bem nas redes sociais. 

Temos várias outras ideias- algumas polêmicas e sexuais, mas estamos segurando elas para lançarmos no futuro. Todas essas outras ideias foram idealizadas por nós - a unica que fomos inspirados por uma campanha do exterior foi essa do bem bolado mesmo.

Deixe seu comentário: