5 campanhas poderosas sobre assédio sexual

assedio

Mal começamos abril e este ano já pudemos acompanhar um universo permeado por pautas que mostram que a sociedade mudou, e que a publicidade tem um grande peso nisso. Atitudes carregadas de preceitos ultrapassados, machismos e esteriótipos não são mais aceitas, além de não acompanharem um mundo globalizado e orientado por empatia, respeito e representatividade às minorias, suas demandas, necessidades e especificidades. Foi pensando na importância deste tipo de discussão que reunimos aqui, mais outras 5 peças que tem como pano de fundo o assédio sexual, assunto que ganhou atenção nas redes sociais (e muito apoio) após a estilista Su Tonani ter tornado pública a acusação de assédio por parte de José Mayer.

Vídeo indiano mostra as faces do assédio

O Whistling Woods International Institute, criou o filme Dekh Le, que tem como objetivo celebrar o aniversário do estupro coletivo cometido no país em dezembro, quando uma adolescente indiana sofreu dois estupros coletivos em ataques separados e depois morreu queimada viva.

 O vídeo mostra a face do assédio sexual se voltando para o homem. O olhar do abuso é refletido por objetos localizados no corpo das mulheres, deixando os homens desconcertados.

  

Nascer mulher não deveria ser o maior perigo de todos

De acordo com um estudo global da Organização Mundial de Saúde (OMS), uma em cada três mulheres vai experimentar alguma violência física ou sexual em algum momento de sua vida.

Para colocar um holofote sobre esse grave problema, a instituição norueguesa Care Norway criou a campanha "#DearDaddy", que mostra como pequenas ações comportamentais de uma sociedade machista são capazes de corroborar com esse quadro problemático que afeta o público feminino em todo o mundo.

O filme é narrado por uma menina prestes a vir ao mundo, que ainda no ventre de sua mãe prevê os assédios e agressões que sofrerá ao longo da vida se as coisas não mudarem de figura.

Consentimento é simples

"Se não for sim, é não". Essa é a mensagem por trás da campanha "Consentimento é simples", criada para a ONG Project Consent. Assim como a mensagem, a série de filmes desenvolvida pela agência canadense Juniper Park/TBWA usa a simplicidade para ir direto ao ponto.

São três vídeos que mostram a interação entre um homem e uma mulher de forma lúdica: no lugar de pessoas, os personagens são retratados através de uma parte do corpo feminino assediado e do masculino que assedia. Ou seja, temos a conversa entre seio e mão, bunda e pênis, e vagina e pênis. A situação se desenrola no momento em que os elementos masculinos tentam assediar o feminino e recebem não como resposta.

Metrô coloca “pênis” em assento

De acordo com dados de que na Cidade do México, 65% das mulheres já foram assediadas sexualmente nos ônibus ou trens metropolitanos, por isso, a companhia de metrô da cidade criou a campanha #NoEsDeHombres, ideia que parte de um ponto bastante ousado: a instalação de um assento que simula o corpo de um homem (incluindo um pênis) nos vagões que só podem ser ocupados por homens.

Diversos passageiros estranharam o assento diferente e se recusaram a sentar. Outros resolveram arriscar, mas acabaram por se sentiram desconfortáveis.



Flashes de fotógrafos revelam mensagens secretas no corpo das modelos do SPFW

A igualdade de gênero foi motivação da ação que, durante o desfile do estilista Amir Slama, levou modelos com mensagens pintadas nos corpos nas passarelas da SPFW.

O detalhe inusitado fica por conta da tinta escolhida: ela só aparece nas fotos feitas com flash. Quem estava no desfile pôde, ao fotografar com celular ou câmera profissional, ver o que quem não usava flash via.

A intenção é convidar homens e mulheres para uma reflexão sobre o assédio sexual: "Encontramos uma nova forma de chamar a atenção para uma questão que deveria ser óbvia: a liberdade das mulheres de se vestirem como quiserem, sem que isso seja interpretado de forma diferente pelos homens", explica Marcelo Moraes, Diretor de Marketing do Grupo.



Lembrou de alguma campanha que não foi citada? Deixe um comentário contando, que adicionamos a peça no compilado!

Deixe seu comentário: