espnW, Penalty e Netshoes colocam em jogo bolas especiais contra a desigualdade no esporte

espn

Para encerrar o mês de ações especiais pelo Dia Internacional da Mulher, a espnW em parceria com a Penalty e a Netshoes lançam uma campanha que ilustra a desigualdade entre homens e mulheres no esporte. O objetivo é evidenciar a discrepância de investimentos, premiações e salários entre os gêneros. 

O projeto, idealizado pela Agência Africa, traz um filme com atletas ícones do esporte nacional como Jaqueline Silva, Virna Dias, Betina Schmidt e Camila Brait, do vôlei, Alline Calandrini, do futebol e Marisa Cintra, do futebol freestyle. Batizadas de Inequality Balls, as bolas, que foram produzidas pela Penalty, serão vendidas pela Netshoes e a renda será revertida para a ONG de empoderamento feminino Think Olga.

Recentemente, a ESPN anunciou que ampliará a sua programação de esportes femininos, adquirindo os direitos para a exibição do Campeonato Italiano e da Champions League de vôlei, além da Champions League de futebol feminino. “A ESPN se orgulha de ter levantado essa bandeira de forma pioneira. A plataforma espnW completou dois anos no Brasil e hoje é um pilar importante para a nossa marca. O esporte feminino também é uma das bases do canal ESPN Extra e o número de mulheres que acompanham nossas transmissões e programas na TV e no digital. Nós iremos sempre buscar o melhor pelos fãs de esporte”, destaca Leandro Simões, gerente de marketing da ESPN.  

O projeto surgiu em resposta à pesquisa produzida pelo jornal britânico Sporting Intelligence que, em 2017, analisou a remuneração de 465 times de 29 ligas, em 16 países e 9 modalidades diferentes e evidenciou que a disparidade está presente em todos os esportes. Para chamar a atenção sobre o tema e instigar iniciativas de mudanças efetivas, o projeto contempla bolas de basquete, futebol, handebol e vôlei. 

De acordo com dados da pesquisa, no basquete, uma jogadora ganha até 96 vezes menos do que um jogador de mesmo nível técnico. Já no futebol, as bolas chamam atenção para o fato de que a média salarial de um único jogador é maior do que a média de um time inteiro com vinte atletas de futebol feminino.

A linha de bolas mostra que as diferenças também estão no handebol: o ganho médio das jogadoras que praticam a modalidade na Europa não passa de 34 mil dólares, enquanto os homens possuem médias salariais que superam a casa dos milhões. Mesmo em esportes como o tênis, em que o assunto é amplamente discutido há décadas, alguns torneios ainda apresentam grandes diferenças. Há campeonatos em que o valor da premiação para as mulheres chega a ser metade do que é entregue aos atletas masculinos.

O vôlei feminino desperta a atenção para um problema que vai muito além dos números. Neste esporte, a inequality ball questiona a diferença de conteúdos não sexistas nas modalidades masculina e feminina.

Para Guilherme Ken, head de produtos e marketing da Penalty, o movimento está alinhado ao posicionamento da marca: “Transformar nosso produto em um símbolo contra a desigualdade está 100% alinhado com o posicionamento da Penalty, pois acreditamos no poder transformador e inclusivo de uma bola. O esporte é democrático, une pessoas. Acreditando na performance da mulher no esporte, a Penalty já atua com produtos voltados para o público feminino, com bolas desenvolvidas com base na anatomia da mulher, oferecendo melhor desempenho às atletas. Acreditamos que o espaço no esporte destinado a homens e mulheres deva ser igual e precisamos que todos aqueles que fazem parte do incentivo à pratica esportiva discutam um projeto concreto de inclusão e de igualdade entre gêneros”, afirma Guilherme Ken.

André Shinohara, CSMO da Netshoes também deu sua opinião: “Estamos muito felizes em participar dessa ação e poder levar a Inequality Balls para todo o Brasil. A Netshoes sempre está atenta a novas oportunidades a fim de inspirar e transformar a vida das pessoas com mais esporte e lazer. Essa é uma iniciativa importante que busca democratizar, apoiando a igualdade entre gêneros nas categorias esportivas e segue com o nosso posicionamento de marca que é conectar as pessoas ao esporte”, afirma.

No site oficial é possível adquirir as bolas e contribuir para a igualdade no esporte.

 

 

Deixe seu comentário: