O Boticário doa espaços publicitários para movimentos femininos

O BOTICÁRIO

O que não falta nesta semana são campanhas voltadas para o Dia Internacional da Mulher. Para ampliar a voz de movimentos femininos, O Boticário lançou uma ação digital diferente de tudo que fez até hoje: A marca se une à eles nos mais diversos lugares do Brasil. No projeto, a empresa lançou mão dos seus espaços publicitários para veicular peças dos coletivos Vamos Juntas, Feminicidade e Odara, até o próximo domingo, 12. Além disso, a comunicação digital ganha um momento especial com a hashtag #MeDeixaFalar, a criação é da agência W3haus.

Para alcançar o objetivo, um espaço com grande visibilidade foi cedido para que mulheres falem por si. A ação vai possibilitar que, ao clicarem em posts no Facebook da marca, banners em portais de notícias, que fazem parte dos espaços publicitários, elas sejam redirecionadas ao site da campanha e tendo acesso ao conteúdo de vídeos de apresentação dos projetos.

Em comum, todas têm como finalidade promover a união e igualdade entre as mulheres, além da diversidade na beleza e fomentar conversas sobre igualdade de gênero por meio da coletividade feminina que gera um mundo mais bonito.

Sobre os projetos

Vamos Juntas é um projeto que incentiva as mulheres a andarem juntas na rua. Criado por Babi Souza, o movimento estimula a companhia entre as mulheres, buscando a aproximação e união para que elas se reconheçam e criem um elo de segurança contra o medo de andar na rua. 

Feminicidade registra depoimentos de mulheres em fotografias, textos, frases e poesias que ocupam as ruas em forma de lambe-lambe. O projeto acredita no poder de cada mulher e busca resgatar o sentido original desta data, ocupando o espaço público com suas histórias e viabilizando encontros onde elas se sintam à vontade para dar voz às suas próprias narrativas. 

Odara é uma organização de mulheres negras que busca maior inclusão no mercado de trabalho. O Instituto da Mulher Negra é uma organização negra feminista que visa superar em nível pessoal e coletivo a discriminação e o preconceito, bem como buscar alternativas que proporcionem a inclusão sociopolítica e econômica das mulheres negras e seus familiares na sociedade.

Deixe seu comentário: