Villa Mix é condenada por racismo e apaga comentários em sua fanpage

Villa Mix

Casos recentes mostram como atitudes racistas e preconceituosas são rechaçadas em um mundo que se esforça para ser mais diverso, inclusivo e respeitoso com as diferenças. Enquanto algumas marcas já entenderam o recado, outras escorregam no tema. Se no começo de setembro um dos sócios do restaurante Coco Bambu deu uma lição para um cliente preconceituoso, a casa de shows Villa Mix fez o contrário e teve que pagar pelo ato: foi obrigada a indenizar um cliente por ter faltado nesta aula de humanismo e não ver as pessoas com equidade.

Condenada nesta segunda-feira (25) pela Justiça Federal, a casa noturna, da Zona Sul de São Paulo, foi condenada a pagar uma indenização de R$ 60 mil para uma ex-funcionária do lugar. A autora da ação, uma hostess negra que trabalhou lá por dois anos, alega que o estabelecimento solicitava a restrição na entrada de pessoas negras, pois, segundo eles, tais pessoas não se enquadravam no perfil dos frequentadores da balada.

“Nós recebíamos ordens da diretoria e dos donos das reuniões em relação a esse perfil que tinha que seguir como pessoas mal vestidas, negras e que aparentavam ter baixo poder aquisitivo”, afirmou a ex-funcionária ao G1. Além de tudo isso, a ex-colaboradora de 26 anos também disse ao portal que e sentia invadida. "Sofria com o racismo também, várias vezes liberei pessoas sem autorização e fui cobrada por isso”, finalizou a jovem.

Em um histórico onde o estabelecimento é investigado pelo Ministério Público desde 2015 por ações discriminatórias, se multiplicam páginas nas redes sociais que incentivam o seu fechamento. Uma das mais populares era a fanpage “Boicote ao Villa Mix”, que tinha 17 mil seguidores e saiu do ar depois da divulgação da pena sofrida pelo empreendimento.

Porém, se uma das principais plataformas de denúncias no Facebook saiu do ar, os usuários demonstram sua indignação na própria página moderada da empresa. Confira abaixo algumas avaliações feitas pelos internautas:

https://www.facebook.com/pg/villamixsp/reviews/

No entanto a companhia escolhe gerenciar sua crise de modo omisso e além de não permitir alguns tipos de postagens, a equipe responsável pelo social media também exclui comentários que vão contra a imagem da marca dando a impressão que não há crise alguma e tudo segue normalmente. Confira:

https://www.facebook.com/villamixsp/photos/a.199986590076328.47943.199981186743535/1647648521976787/?type=3&theater

Procurada, a Villa Mix disse em comunicado oficial que "A casa de shows Villa Mix conta com quase 06 anos de atividade, proporcionando diversão e alegria aos seus clientes, sempre agindo em estrito cumprimento às normas e à ética, tratando toda e qualquer pessoa com igualdade. Considerando a veiculação da notícia com o título: “Justiça condena Villa Mix a pagar indenização a ex-funcionária por ter de restringir entrada de negros”, pela imprensa e pelas redes sociais, esclarece que a matéria vem sendo divulgada de forma deturpada.

Referida sentença foi julgada parcialmente procedente, oriunda de um processo trabalhista, sobre o qual será interposto recurso ordinário e, portanto, passível de modificação no Tribunal.

A respeito do racismo citado, é importante ressaltar que já houve investigação por órgãos realmente especializados (diferente da Justiça do Trabalho) para apurar eventual crime de racismo ou qualquer tipo de discriminação racial, tais como: membros do Ministério Público Civil e do Trabalho e também pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância – DECRADI, sendo todos os casos concluídos, após vastas investigações, pela inexistência de provas que atestem no sentido de ter existido qualquer prática de discriminação por parte da Villa Mix.

Há de se inclusive ressaltar que a mesma autora que ingressou com a ação alegando prática de discriminação por parte da casa, que supostamente teria lhe causado o dano moral e ‘abalo psicológico’, que há menos de uma semana, postava fotos em seu “Instagram” divulgando a marca “Villa Mix”:

Por fim, o Villa Mix reitera que repudia qualquer tipo de discriminação, não tendo, jamais, praticado qualquer ato dessa natureza, conforme atestaram todos os órgãos competentes.

Atenciosamente,

Maurício Ozi

Ozi Advocacia"

Deixe seu comentário: