5 questões importantes sobre marketing viral

Philip Moss, fundador da produtora ChaDas5, esclarece algumas dúvidas sobre o tema

Quando se pensa em algo que se propaga rapidamente como em um processo epidêmico, parece simples definir o que é marketing viral. O desafio é inversamente proporcional, porém, quando se pretende fazer com que um conteúdo tenha alto grau de disseminação, já que não existe uma fórmula pronta. Para conhecer um pouco melhor esse universo, o Adnews conversou com Philip Moss, fundador da produtora ChaDas5, que esclareceu algumas dúvidas sobre o tema.

O que de fato qualifica um vídeo como viral e como você vê a explosão desse formato?

Philip Moss – Em primeiro lugar o que determina um viral é a capacidade de disseminação de um conteúdo, que consegue realmente “viralizar” dentro de um determinado universo de atuação. Ele é interessante para o mercado na medida em que atinge um número grande de pessoas em um curto espaço de tempo. Ele também tende a ter um custo-benefício interessante, já que é difundido na internet, o que elimina um alto investimento com mídia.

Algumas pessoas relacionam a estética de um vídeo viral com uma produção propositadamente precária. O que há de real nisto?

Philip Moss – Não há uma regra preestabelecida com relação a isto. O aspecto mais importante é trabalhar com um conteúdo que possa atingir alguns sentimentos e emoções das pessoas. Há virais com produções incríveis. Posso citar aqui, por exemplo, a série “The Hire” da BMW, criada para a internet e publicada entre 2001 e 2002, que também é um caso superinteressante de storytelling. O trabalho “Eduardo e Mônica”, criado pela Africa para a Vivo é outro case muito bom. É claro que alguns “virais” têm realmente a intenção de passar a sensação de que são produzidos e editados de forma caseira também. Tudo depende da estratégia.

Mesmo quando se tem um bom custo-benefício o marketing viral pode ser uma estratégia arriscada? Por quê?

Philip Moss – Sim, até pelo fato de não ter nenhuma garantia que o vídeo vá, de fato, funcionar. Além disso, o ideal é a participação da marca desde o inicio, até para que o consumidor não se sinta enganado ao expressar inúmeras opiniões e emoções sobre um vídeo e em seguida descobrir que tudo não passou de uma simples ação de marketing.

Qual é a receita para criar um bom viral?

Philip Moss – Não existe uma receita pronta ainda e nem tudo é tão previsível quanto parece. O que um vídeo precisa para funcionar? Causar algum tipo de emoção humana é um fator essencial. Tirar uma lágrima, criar uma estranheza, gerar uma dúvida ou fazer sorrir, por exemplo. A criatividade é imprescindível nesse processo. Também é preciso ficar atento e lembrar que a viralização de um conteúdo não está diretamente associada com o engajamento com relação a alguma marca. Por este motivo a amarração deve ser muito bem feita.

Você acha que esse formato é perecível?

Philip Moss – Não acho que tenha prazo desde que se trabalhe sempre com as emoções do público. Apesar dos clichês, fórmulas bem executadas tem muito potencial para dar certo. O desafio é criar a partir destas fórmulas. O problema é todo mundo quer fazer viral, mas não quer abrir mão de muita coisa. Quando o vídeo é muito convencional ou está muito diretamente atrelado a uma marca, ele acaba não pegando. Muitas empresas têm dificuldades para se desprenderem de suas marcas. A maioria quer um efeito muito imediato, mas poucas conseguem entender a importância do storytelling na construção da marca.

Renato Rogenski

Post anterior

Brasil precisa repensar modelo de remuneração das agências, diz Buono

Próximo post

Chegou uma mensagem relevante para você

Posts Relacionados