O nome “wearables” foi dado aos equipamentos e sistemas que podem ser “vestidos” pelo usuário, integrados ao vestuário, e em acessórios como relógios de pulso e outros. Já o termo “hearable” se refere a uma nova categoria de aparelhos que usam o áudio e a voz como interface. Poderíamos tentar traduzir a palavra por aparelhos “audíveis” ou “aurais”.

Os fones de ouvido sem fio AirPods da Apple são um exemplo dessa tendência, mas as empresas estão investindo no desenvolvimento de equipamentos ainda mais avançados.

A combinação de fones de ouvido com sistemas de inteligência artificial está ganhando impulso há alguns anos já. Com interfaces de voz e sensores biométricos, os novos equipamentos serão chamados de “smart headphones”, ou “hearables”.

Atualmente, apenas 1,4% dos usuários usam headphones para interagir com assistentes de voz, segundo dados da Voicebot, mas a tendência é que esse tipo de interação deve crescer muito a curto e médio prazos.

Várias empresas de análise e tendências apontam que a voz representa o próximo passo lógico no acesso às informações e conteúdo. É mais natural do que usar uma tela de toque ou teclado, exige menos esforço físico e mental e cria muitas oportunidades para as empresas lançarem equipamentos e sistemas que não vão mais depender de telas.

Um dos motivos para esse potencial é a evolução do reconhecimento de voz, alvo de pesados investimentos de gigantes como Google, Amazon e Microsoft. Há três ou quatro anos, as pesquisas realizadas por voz geravam muitos resultados errados – a frustração com o reconhecimento de voz foi alvo de muitas piadas. Mas essa tecnologia avançou rapidamente, e hoje as I.A.s desses sistemas são capazes de reconhecer comandos com alta fidelidade, mesmo que a pessoa fale com forte sotaque ou tenha problemas de dicção.

Apesar do AirPods da Apple não ser um perfeito exemplo de “smart headphone”, seu uso mostra o potencial de mudança que pode ocorrer em breve. Os fones sem fio permitem um gerenciamento mais fluido de várias tarefas, como fazer chamadas telefônicas, ouvir músicas e audiolivros, etc. O design discreto e elegante deve ser uma característica da nova geração de “hearables”.

Segundo previsão da firma CCS Insight, equipamentos sem fio embutidos no ouvido tiveram um grande salto de vendas: de 2 milhões de unidades em 2017 para 6 milhões em 2018. Já a Gartner estima que esse tipo de equipamento deve superar as vendas de “smart watches” até 2022, com vendas globais de 158,43 milhões de unidades comparado com 115,20 milhões de smart watches.

A Fast Company informa que Google, Amazon e Microsoft estão interessados em lançar produtos “hearable”. A Bloomberg noticiou que a Apple pretende incorporar em 2019 funções de assistente de voz no AirPods, que poderão ser ativadas com “Hey, Siri”. A Qualcomm criou chips específicos para esse tipo de equipamento, e outras fabricantes de chips devem seguir o exemplo.

Com informações do eMarketer.

Sergio Kulpas, janeiro de 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald