A Black Friday, que neste ano de 2018 será realizada em 23 de novembro, consolidou-se como a principal data do e-commerce brasileiro. Este ano, o setor deve faturar R$ 2,43 milhões com a “sexta-feira negra”, alta de 15% em relação a 2017, segundo estimativa da Ebit | Nielsen. A consultoria aponta que 88,6% dos brasileiros têm interesse em aproveitar os megadescontos.  O número de pedidos deve se expandir de 3,76 milhões para 4 milhões.

A data pode significar o auge das vendas do ano. Mas, para aproveitar essa oportunidade, é imprescindível contemplá-la dentro do planejamento anual da empresa e desenvolver as ações com bastante antecedência.

Um plano de marketing bem estruturado, nos meios digitais e fora deles, é a chave para o sucesso. Pensar na Black Friday sem contextualizá-la transforma a data em uma campanha de vendas isolada, com menos chance de bons resultados. Outro ponto importante é o anunciante evitar a tentação de criar qualquer tipo de oferta só para estar presente no período. Os resultados desse tipo de prática geralmente são fracos e pouco sustentáveis, atraindo clientes fora do perfil da empresa.

Trabalhar a Black Friday dentro de um contexto, com objetivos alinhados aos objetivos anuais da empresa, aumenta a possibilidade de uma ação bem-sucedida. É importante inserir a data no planejamento da empresa e pensar antecipadamente nas ações desenvolvidas. Uma campanha voltada totalmente para a Black Friday tem a tendência de trazer resultados positivos no próprio dia da promoção.  Porém, se a marca começa a conversar antes com o consumidor, ela tende a ser mais lembrada no momento em que ele for bombardeado pelas mais diversas comunicações de ofertas das mais variadas empresas. Na sexta-feira mais esperada do varejo, largam na frente as marcas que conseguirem captar de antemão a atenção do seu público. Além disso, uma boa estratégia de conversação amplia a chance de os clientes impactados com os descontos tornarem-se fiéis após a promoção.

Quanto aos canais de vendas, o e-mail marketing vem perdendo espaço, mas permanece fundamental para o sucesso em alguns setores, como o e-commerce de varejo. A Social Media consolida sua importância em todos os segmentos. É um canal decisivo antes, durante e após a Black Friday.

Antes do evento, as redes sociais são fundamentais para gerar expectativa e captar os dados de usuários. No dia oficial, a mídia social deve ser usada tanto para comunicar as promoções como para interagir com o consumidor, seja ganhando a simpatia dele (como bem faz o Ponto Frio nas redes sociais, especialmente no Twitter), seja para solucionar eventuais dúvidas ou problemas. E no pós-Black Friday, para agradecer, aprofundar e aprimorar o contato com os clientes que interagiram com a marca nesse período.

Em todos os canais, é importante destacar o atributo essencial da Black Friday: a autenticidade. Parece óbvio, mas não é.  Ainda há no Brasil o sentimento de que grande parte das ofertas são preços disfarçados de promoção. Vale a pena a empresa que fizer uma campanha selar com o público o compromisso de honestidade e de seriedade em todas as suas ofertas. E cumprir esse compromisso! Esses itens são importantíssimos para que a atenção do cliente seja realmente atraída no dia da Black Friday e seu relacionamento com a marca se estenda para além desse período.

Ricardo Rocha Inforzato é Estrategista da agência de marketing digital Pílula Criativa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald