YouTubers, blogueiros, tuíteiros, streamers ou pessoas que têm um alto nível de engajamento (curtidas, compartilhamentos e comentários) em alguma rede social são os digital influencers. Atualmente, eles são fundamentais para promoção de marcas e influenciam diretamente nas vendas de um produto, sendo uma “peça” fundamental para que uma campanha publicitária seja bem sucedida.

Ao longo da história, novas mídias foram surgindo e a publicidade foi acompanhando as transformações que elas causaram. Antigamente, os produtos eram exibidos em salas de cinema antes do filme começar e também em spots de rádios; ao chegar a televisão, vieram os comerciais e agora com o advento da internet há os influenciadores digitais.

Só que na grande maioria dos casos, não basta ter uma pessoa com milhões de seguidores, tendo um alto nível de engajamento, porém com um público genérico. O tipo de conteúdo que ela transmite precisa diretamente relacionado ao público-alvo do que você quer promover. Se o influenciador fala de games, por exemplo, não faz sentido querer que ele promova um produto fitness.

Para ficar mais claro, a co-fundadora do YouPix desenvolveu um estudo revelando sete tipos básicos de influenciadores digitais em três fatores: alcance, ressonância e relevância.

1. Top Celeb:  São pessoas famosas sem um conteúdo específico, onde o próprio nome delas que faz a fama de algo. Esse tipo de influenciador é interessante quando a publicidade quer atingir o máximo de pessoas o possível ao mesmo tempo de uma única vez. Por outro lado, por ser um público considerado “genérico”, a publicidade dificilmente se converterá em vendas. Exemplo: Filipe Neto, já que em seu canal ele aborda assuntos aleatórios e do cotidiano.

2. Fit Celeb: Este conceito se enquadra nas pessoas que possuem fama defendendo uma causa ou sendo notórias por darem dicas sobre algum assunto. Pode ser sobre dietas, como se vestir melhor, maquiagem, dicas de como se dar bem em cassinos etc. Este tipo de influenciador é importante para as marcas que querem fazer dinheiro vendendo algum produto, mas geralmente o custo sai alto, sendo um risco a se tomar. Exemplo de influenciador Fit Celeb: Fiaspo do canal Fiaspo Games, que fala sobre jogos eletrônicos e é famoso por isso.

3. Autoridade: Influenciadores de autoridade são pessoas que atuam em um único segmento e são especialistas naquele tema, seja um especialista em academia, especialista em ensinar a se dar bem em jogos de apostas, autoridade no ramo da sedução etc. Apesar do alcance deste tipo de digital influencer ser menor quando comparado aos demais, ele é interessante para o publicitário que quer “falar sobre determinado assunto” específico com o público. Exemplo: Nathália Arcuri do canal Me Poupe, que fala sobre finanças pessoais e ensina as pessoas a como enriquecerem. Confira aqui.

4. Ecossistema: semelhante aos influenciadores de autoridade, o ecossistema é a junção de pequenos influenciadores dentro de um contexto. São importantes para uma estratégia de onipresença da marca.

5. Trendsetter: Pessoas que são experts em seus campos de atuação e são reconhecidos por liderarem causas e discussões.  A maior diferença deste para o autoridade é que o TrendSetter apoia causas mais envolvidas com o lado psicológico e social, como quebra de preconceitos, debates sobre determinado assunto etc. São ideais para trabalhos de posicionamento da marca. Exemplo: Alexandra Gurgel do canal Alexandrismos, que aborda temas sobre gordofobia.

6. Jornalista: Oriundo da mídia tradicional, possuem grande alcance, mas por abordarem assuntos variados, acaba sendo um tipo de influenciador feito para campanhas bem específicas, já que seu público tende a ser genérico também.

7: Público interno: Funcionários da própria empresa, são micro-influenciadores da marca. São uma excelente opção para humanizar a marca, divulgando os valores da empresa.

Tags:
Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald