No Marketing Digital, fazer previsões sobre tendências é um desafio e tanto, pois a velocidade com que novas tecnologias surgem torna complexa a tarefa de prever qualquer movimento do mercado.  No entanto, algumas inovações mostraram que vieram para ficar, e a tendência é que sejam usadas fortemente em 2014.  É o caso das tecnologias de monitoramento e redes sociais.

Ao mesmo tempo, alguns movimentos internacionais começam a ter mais força no Brasil já que a infraestrutura da tecnologia necessária para decolarem está chegando ao País. Estamos falando de Programmatic Trading, Native Advertising e Self-Publishing, tecnologias que já estão sendo fortemente aplicadas nos Estados Unidos e deverão ter uma presença muito maior no mercado brasileiro no ano que vem. https://lh4.googleusercontent.com/ZFsjeO9sKF67eFz38MoecHN2LVuA3meqi-37BACtKwlqnxVBYTm09tC9b4gA13DzfF2-jkmF0gAvtllCp7uY64PV7QRxHOnx0KwZO8xafqtEt6MIr1ZAIrvBnw

Assim, considerando este trajeto, podemos dizer que teremos cinco macro tendências na área de Marketing Digital para Brasil no Novo Ano. São elas:

1) Programmatic Trading

Em 2014, os sistemas assumirão gradativamente o papel do profissional de mídia. Os algoritmos irão comprar e distribuir a campanha de marketing digital de acordo com a movimentação do público-alvo, melhorando a efetividade dos resultados e reduzindo os custos. Isto é o Programmatic Trading­ e já é uma realidade

2) Native Advertising

Native Advertising é uma metodologia para campanhas de marketing que baseia o desenvolvimento de campanhas num formato personalizado, de acordo com o contexto de navegação e de interesse do consumidor. Atualmente, já existem vários sistemas que monitoram o comportamento do cliente. Estes dados deverão ser utilizados com maior profundidade pelas agências de marketing digital para personalizar suas campanhas, de acordo com desejos e  necessidades do cliente potencial.

3) Self-Publishing

Estamos vivendo a era do "Self". Inicialmente, era somente o "Selfie" proporcionados pelo Instagram e Facebook, com a publicação de fotos sobre o "eu" e "minhas" ações no mundo. No entanto, o que está surgindo agora é a tecnologia que permite às pessoas serem seus próprios publishers.  Muitas empresas estão investindo em plataformas e aplicativos para que as pessoas escrevam seu proprio conteúdo e publiquem. É o caso do Apple iBooks Author, do Calibre E-Book, do clickz.com, do LibreOffice, dobr.blurb.com. Existe até uma rede social para composição colaborativa de e-books, o Widbook, que foi desenvolvida por brasileiros. A tendência é que em 2014 as pessoas passem a usar muito mais estes recursos, inclusive com certa enfase para troca de conhecimento colaborativo.

4) Monitoramento e BI (Business Intelligence)

Com a importância que as redes sociais assumiram na vida das pessoas no Brasil, em um País que está entre os maiores em números de usuários de Facebook e internet, o monitoramento será cada dia mais valorizado.  Por isso, a tendência é que as tecnologias de monitoramento tornem-se cada vez mais eficiente e passem a oferecer não só resultados de campanhas e lançamentos para o meio digital, como também, insights cada vez maiores sobre como personalizar o marketing digital e atender melhor os clientes.

5) Redes Sociais e SCRM (Social Customer Relationship Management)

As empresas parecem ter atingido um nível de maturidade sobre o poder das Redes Sociais e o seu potencial para melhorar a comunicação com o cliente, a comunicação interna e a colaboração entre funcionários dentro das empresas, valorizar o marketing e potencializar a comunicação de campanhas, entre outros. Em 2014, mais empresas utilizarão as informações das redes sociais para melhorar seus serviços e produtos, interagindo e produzindo conteúdos de forma colaborativa.  

Artigo encaminhado por Caio Soldi, CEO da agência de planejamento digital CVS, agência associada da APADi (Associação Paulista das Agências Digitais) e é especialista em Marketing Digital

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald