Nada poderia soar mais desinteressante do que iniciar uma conversa com criativos falando em números. Mas quando eles (números) chamam atenção, não se pode ignorá-los: vivemos no país em que uma a cada três pessoas comprou na internet em 2012, segundo dados da consultoria e-bit. Isso, no mesmo Brasil onde apenas 40% das casas têm acesso à internet, como divulgou a pesquisa do Cetic.br. Mas se prosperar com negócios na internet fosse assim tão simples, não haveria tanta gente buscando a receita.

Hoje, existem muitas facilidades com as quais podemos contar ao criar um e-commerce. Além do fato de comprar pela internet já ter se tornado um hábito para muitos brasileiros, o que é resultado do aumento da confiança em compartilhar dados pessoais na rede, há uma infinidade de start-ups que criam aplicativos e ferramentas para controlar e mensurar resultados no ambiente virtual.

Os números mostram que há ainda muita oportunidade para crescer e, por isso, não é possível se acomodar. Para se obter sucesso na internet é preciso inovar sempre e o ambiente virtual permite que testemos novas formas de interagir com os clientes muito rapidamente.

Além disso, toda marca – seja e-commerce ou loja física – precisa ter um diferencial, apostar em algo que a torne única. Parece a mesmice, mas ainda faltam empresas com consciência de ter um diferencial competitivo.

É claro que existem muitos desafios para o comércio eletrônico no país. Não adianta apenas ter um bom site, que os clientes entendam, seja fácil de navegar, de tirar as dúvidas e, claro, de comprar, se a logística não for otimizada e o atendimento ao cliente, impecável. Ainda, ter um time com mentalidade analítica, para que as críticas e as barreiras enfrentadas ajudem a construir soluções rápidas, é fundamental. E muita criatividade…mas disso, vocês entendem.

Por Adriano Meirinho, publicado originalmente no Administradores

Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald