O universo digital não para. A velocidade com que esse ambiente inova e se reinventa, conforme a expectativa de um internauta cada vez mais conectado e exigente, impacta na busca constante de marcas e criadores de conteúdo em se aproximarem de seus consumidores – sempre de forma criativa e que resulte na fidelização de seus públicos.

Diante disso, o mercado de produtoras especializadas nesse nicho vem crescendo de forma vertiginosa. Porém, este é um formato de produção já bem conhecido pela televisão, que há mais de 50 décadas vem se especializando em produzir conteúdo sempre pensando no que o público quer assistir.

A partir disso, o SBT aliou sua expertise de um meio multiplataforma à atual tendência para lançar o Nano Box, um estúdio dedicado à produção exclusiva de conteúdo digital. Esta novidade surge em um momento estratégico da emissora, que vem trabalhando em uma série de lançamentos para a web nos próximos meses.

“O SBT é protagonista no ecossistema digital com uma das maiores audiências do Brasil no Youtube: 8 bilhões de visualizações, sendo a maioria fãs que buscam conteúdo da nossa programação. O Nano Box foi pensado para facilitar a produção de um conteúdo exclusivo que esses fãs não assistem na TV, podendo envolver artistas da emissora, marcas e influenciadores”, destaca Giuliano Chiaradia, gerente de conteúdo digital do SBT.

Dentro do Nano Box será possível desenvolver formatos de conteúdo como webséries, lives, entrevistas, tutoriais de moda e gastronomia, além de branded content, sendo assim uma importante ferramenta para o desenvolvimento de novas linguagens de vídeo envolvendo marcas, creators e os próprios talentos da emissora. Entre as primeiras produções está uma série de “reactions” com os artistas do SBT. Assista ao Promo SBT Nano Box:

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald