Estabilidade financeira e profissional e ganhos acima da média chamam a atenção de qualquer pessoa que sonha em passar em um concurso público. No entanto, muitos se rendem apenas a essas referências e esquecem de pesquisar informações essenciais, como as disciplinas de cada carreira e os editais das provas. “Conhecer bem a prova e suas regras não apenas organiza, mas também encurta meses de preparação”, afirma Evandro Guedes, CEO da Alfacon, referência na preparação para Concursos Públicos no Brasil.

Com a experiência de ter sido aprovado em 12 concursos públicos, Guedes explica que um dos maiores erros de preparação dos concurseiros é estudar as matérias sem analisar os editais. “O edital é a lei do concurso público. Muitas vezes o candidato vai fazer uma prova sem saber as regras do certame. Ele pode ir muito bem na prova teórica, mas esquece que existe, por exemplo, uma parte prática, e é desclassificado”.

Outro ponto importante é a motivação. Por não serem divulgados regularmente, muitos concursos levam meses ou mesmo anos até uma nova publicação, podendo desencorajar os candidatos. De acordo com Guedes, quem permanece por muito tempo estudando deve aprender a lidar com críticas, incluindo de familiares e amigos. “Alguns não entendem por que alguém estudaria aos domingos ou continua estudando após uma não aprovação, e começam a duvidar da capacidade da pessoa. Não dê ouvidos a isso. Procure informações de quem já está atuando na área”, diz Guedes.

O CEO e também professor lista os 6 erros que são cruciais na preparação dos candidatos:

Não ler o edital do exame

Muitos concurseiros fazem os exames sem ao menos ler os editais. Em carreiras policiais, por exemplo, muitos desconhecem os testes de aptidão física. “O candidato estuda a parte teórica, vai bem no teste, mas acaba sendo desclassificado nos exercícios, porque não leu o edital e não descobriu que deveria estar preparado para nadar, saltar e correr. Por isso, leia o edital”, afirma Evandro Guedes.

Tentar concursos de áreas totalmente diferentes

Existem 5 carreiras na administração pública, que são: Policiais, Militares, Fiscais, Administrativas e Tribunais. Conhecer a área que pretende concorrer é fundamental para que a preparação do concurseiro esteja correta. Quem estuda para uma carreira tendo em mente outra está fadado a não ser aprovado. “O fracasso é inevitável. Áreas diferentes possuem bancas diferentes. Simulados, provas, matérias e planos de estudo são pensados de acordo com a carreira”, explica Guedes.

Deixar para estudar depois da divulgação do edital

Após o edital ser produzido, a publicação tem até 90 dias para ser feita. Esse período não é suficiente para que o candidato tenha domínio de todas as matérias requeridas pela vaga. Por isso, estudar para a carreira pretendida antes mesmo da publicação do edital é fundamental para ir bem em todos os tópicos do exame.

Não fazer um cronograma

É fundamental seguir o tripé ensino regular, exercícios e simulados. No ensino regular, o concurseiro aprende o conteúdo das aulas, que será fixado na realização dos exercícios. Os simulados, por sua vez, servem para o candidato administrar seu tempo de prova, entender o perfil de cobrança da banca examinadora e identificar temas com maiores dificuldades.

Não saber de onde vem o material 

“É comum encontrar materiais para concursos que estão vagando pela internet por mais de 5 anos, completamente desatualizados e fora da realidade das bancas e da legislação”, afirma Guedes. Segundo ele, o candidato deve desconfiar de materiais com preços muito abaixo da média.

Estudar somente as matérias que gosta

É o erro mais fundamental de qualquer concurseiro. O ideal é estudar mais os temas que se sabe menos, e estudar menos os assuntos com maior domínio e, principalmente, priorizar as matérias básicas para qualquer carreira, como Português, Matemática e Raciocínio Lógico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald