Um vídeo de dois minutos em inglês pode mudar, para sempre, a vida de um estudante brasileiro. É o tempo que o candidato tem para mostrar toda sua criatividade e concorrer a uma vaga na Roger Hatchuel Student Academy. O evento acontece em paralelo à 67ª edição do Cannes Lions Festival Internacional de Criatividade, representado no Brasil pelo Estadão. Para ter chances, no entanto, o aluno precisa se apressar, pois as inscrições se encerram em 24 de janeiro.

O candidato precisa cursar o último ano do ensino superior ou cursos livres sediados em território nacional das áreas de Comunicação, Marketing, Administração, TI, Filme e/ou Cinema, Design, Artes, Negócios, Tecnologia e Inovação. O vencedor viajará a Cannes com todas as despesas pagas, entre 21 e 26 de junho do próximo ano. Nesse período irá conviver com mais 39 mentes criativas, escolhidas ao redor do mundo.

A Roger Hatchuel Student Academy foi projetada para ajudar alunos interessados em seguir um caminho criativo na publicidade a lançar suas carreiras. Nessa semana em Cannes, os candidatos selecionados estarão envolvidos com questões relacionadas a marcas, liderança, propósito, solução de briefings criativos, valor da diversidade, entre outros temas. Em paralelo, os alunos frequentarão o Festival com a curadoria de um mentor especialmente dedicado a esta classe.

Em dois minutos, em inglês, o candidato deve mostrar como é criativo, sua personalidade, sua paixão e defender porque merece o bilhete de ouro para o Cannes Lions. Informações sobre o envio do vídeo e demais esclarecimentos podem ser obtidos por meio do link. O Estadão, como representante oficial do Cannes Lions no Brasil, também pode esclarecer dúvidas pelo telefone (11) 3856-5454 ou pelo e-mail [email protected].

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdGeek

+ Ver mais

Saraiva prepara para fãs estreia de STAR WARS

por Nicole Fanti Siniscalchi

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald