A LATAM Airlines Brasil, companhia aérea que transporta mais passageiros no País, e o Rock in Rio, maior festival de música e entretenimento do mundo, firmaram um acordo exclusivo. Como companhia aérea oficial do evento em 2019, a LATAM Airlines Brasil será a única empresa do setor a apoiar o festival, que reunirá 700 mil pessoas na Cidade do Rock de 27 a 29 de setembro e de 3 a 6 de outubro.
“O Rock in Rio atrai muitos viajantes de fora do Rio de Janeiro. Somente na edição de 2017, 68% dos turistas de fora da cidade viajaram de avião. Portanto, esta é uma oportunidade única de ser a companhia aérea oficial do Rock in Rio e poder conectar o nosso passageiro ao maior festival de música e entretenimento do mundo. É um grande momento para destacarmos os atributos e serviços que criamos para levar as pessoas ainda mais longe”, afirma Igor Miranda, diretor de marketing e vendas da LATAM Airlines Brasil.
“O Rock in Rio tem em sua essência proporcionar sempre a melhor experiência para o seu público. É nosso compromisso cuidar de todos os detalhes para que a cada ano seja o melhor Rock in Rio de todos os tempos. Ter conosco uma empresa área, referência no mercado, é, sem dúvida, um grande ganho para o nosso público”, afirma Rodolfo Medina, vice-presidente de marketing e parcerias do Rock in Rio.
Como parte de seus esforços, a LATAM já planeja operar voos extras para o Rio de Janeiro no período do Rock in Rio. O incremento vai reforçar as operações da companhia com destino aos aeroportos do Galeão e Santos Dumont para atender os novos fluxos de viajantes com destino ao festival entre setembro e outubro. Em breve, a companhia anunciará mais detalhes desta operação especial.
Além dos reforços em malha aérea, a LATAM também prepara ações especiais e de ativação relacionadas ao apoio do festival, que também serão reveladas em breve.
Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald