Para acabar com o drama de qualquer amante dos seriados, Zé Delivery e Skol se juntam, como uma boa dupla das grandes produções, e apresentam o SOS Skol, a maneira ideal para pedir sua cerveja com apenas um toque, sem perder qualquer segundo do seriado.

As marcas estão convidando a todos, em especial os viciados em série, a “maratomar”. Para isso, basta convidar a galera, escolher o título preferido, preparar os snacks e apertar um botão para receber sua Skol gelada via Zé Delivery, no endereço cadastrado no app.

“Skol novamente coloca a roda para girar, com algo inovador, agora, na forma como chegamos ao consumidor. Já inovamos em nossas embalagens, em nossas propagandas e até mesmo em nossas receitas, com opções diferentes para o paladar de qualquer consumidor, e agora o SOS Skol vem para tornar a reunião entre amigos ainda mais divertida”, afirmou Maria Fernanda Albuquerque, diretora de marketing de Skol.

“A pior coisa que pode acontecer quando você pretender fazer uma maratona de sua série predileta é não ter aquela cerveja na geladeira. E como o Zé é uma startup que existe justamente para facilitar a vida das pessoas, criamos um botão que leva a sua bebida favorita onde, como e quando você quiser! Agora todo mundo vai poder maratomar sem se preocupar com sair para comprar cerveja e o Zé garante a entrega sem custo nenhum e as bebidas já geladas a preços realmente baixos”, declarou Claudio Azevedo, Head de Marketing e Growth do Zé Delivery.

Nesse primeiro momento, apenas os consumidores que mais pedem Skol no aplicativo terão acesso ao botão, enquanto a tecnologia está em testes. Enquanto isso, qualquer interessado no Dash Button poderá baixar o aplicativo do Zé Delivery e se inscrever na lista de espera, dentro do menu do app. Os botões serão lançados até o fim do ano para todos os inscritos. A campanha foi criada pela Bullet.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald