O Dia Mundial do Rádio é comemorado em 13 de fevereiro. Embora seja um dos meios de comunicação mais antigos, as plataformas que produzem tal conteúdo ainda se sobressaem com programações e novidades exclusivas. André França, VP de mídia da WMcCann, comenta sobre a data e suas respectivas expectativas para as plataformas de rádio. Confira abaixo entrevista na íntegra:

Como hoje é o Dia do Rádio, gostaríamos de uma visão pessoal sobre a mudança das mídias e qual o papel da rádio nos dias atuais.

O rádio é um dos meios que mais tem conseguido acompanhar esse momento de profunda transformação tecnológica e digital pela qual temos passado. O seu papel continua sendo o de estar próximo do ouvinte, seja ele com conteúdo de entretenimento ou jornalístico. E para isso, ele tem se adequado a novos formatos, experimentado novas linguagens e se alinhado às novas tecnologias para garantir esse contato instantâneo com o seu público. Algo inerente a toda sua história. Vale dizer que o Dia do Rádio este ano é comemorado com muito menos brilho, diante da perda do Ricardo Boechat, um dos seus mais ilustres representantes. 

Você possui alguma expectativa para os rádios?

Embora uma das mídias mais tradicionais, o rádio tem demonstrado agilidade na sua capacidade de se reinventar e se adequar a esse novo cenário, inclusive de forma multimídia, adequando sua programação a outros canais. A expectativa é que essa interação com novas mídias continue acontecendo e isso siga beneficiando os ouvintes, ajudando inclusive numa de suas maiores fortalezas, que é construir uma cumplicidade com a sua audiência.

Acha que o meio ainda pretende tomar força?

Essa é uma busca constante de todos os meios. O fortalecimento depende da capacidade de cada um deles em entender o que está acontecendo e se transformar/inovar mais rapidamente. Potencial o rádio tem. Não é à toa que estamos aqui lembrando o Dia do Rádio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald