A tecnologia vem mudando a vida profissional de todos os ambientes, principalmente no marketing, que mudou toda a sua história após a evolução. Conceitos de CRM, e-mail MKT e dados foram importantes nesse processo e o que a experiência do seu público pode falar sobre o seu produto ou serviço. Alexandre Siqueira, gerente de sistemas na Globosat, explica:

Qual a importância da tecnologia no marketing hoje em dia?  

O marketing é uma das áreas que mais demorou a ter o casamento com a tecnologia. Pensando em outros departamentos, até por uma necessidade de processamento e volume de dados, eles entenderam que apenas pessoas não davam vazão para operação da área. O marketing sempre teve a pegada do criativo e a visão, não era preciso entender necessariamente de número para ter uma boa campanha criada.  

E, há alguns anos, o mundo digital trouxe uma mudança gigante, porque temos um milhão de cenários, antes o cara tinha uma receita com tanto na TV, OOH e jornal e sabia que atingia o Brasil inteiro. Hoje cada público possui um comportamento diferente, e só consigo visualizar com o número, preciso olhar o comportamento passado, inteligência para prever o que esse usuário que fez no passado, vai fazer diferente no futuro, e por conta disso preciso de uma conversa e campanha diferente.  

O marketing até um tempo atrás desempenhava o seu papel na organização sem muito número, hoje, assim como outras áreas, ele entende que precisa ter ferramentas permitindo conhecer cada pessoa que mantém um contato e começar a prever o lugar em que o usuário pretende frequentar. Tornando o marketing e a tecnologia um casamento sem volta no sentido de: É preciso tecnologia para que o marketing possa atingir todos.  

 

CRM e e-mail marketing são bastante importantes né?  

Fundamental! São mecanismos que nos permitem ter uma conversa 360º permanente com cliente, parceiro e agência. Então, consigo saber quem é você quando está trabalhando e caso com o comportamento na vida pessoal e consigo ter uma conversa.  

O e-mail que muitas vezes a gente tende a achar que ele é caduco, mas não, o e-mail é poderosíssimo, e talvez seja uma das ferramentas com maior alcance para essa jornada. E o CRM é quem orquestra tudo, vai permitir saber o que você fez, o que não gostou, como te enviar uma comunicação que você não ache e te leve em um próximo passo evoluindo a conversa.  

O que essas transformações digitais impactaram os profissionais?  

A transformação nem sempre é fácil, mesmo que seja para alguns, não são para outros. Fato que o digital e a tecnologia para quem quer “jogar no ataque” tem uma necessidade de ser aberto a aprender em uma velocidade gigante. O que existe hoje, não existia há um ano e possivelmente morre daqui uns meses. 

A transformação exige que as pessoas estejam depostas a desconstruir e ter a necessidade pessoal de aprender. Tínhamos muito uma cultura de “alguém é responsável por nos dizer o que tenho que aprender”, e hoje não tem mais alguém. Se o profissional não tiver a iniciativa do que precisa saber e buscar, ele está fadado a ficar no canto da sala.    

Como o Grupo Globo se prepara para as novas tendências?  

Já entendemos há um tempo e decidimos que queremos ser o protagonista. Já tem alguns anos que estamos criando diversas ações de educação, aproximação do cliente com a agência e projetos de implantação. Então entendemos que sendo o maior grupo da América Latina e falando com o Brasil inteiro, temos uma ferramenta incrívelque vira uma máquina se entendermos o mundo digital.  

Desde treinar as pessoas com um modelo mental novo. Como eu preciso falar de publicidade e conteúdo nesse mundo com novas mídias e canais, o que preciso ter de instrumento para isso.  

Preciso começar a ter número? Então, preciso me preparar para isso. Tenho que construir e começar a guardar números para poder entender e usar esses números de um comportamento passado e em algum momento começar a prever o futuro, mas dado de um dia não me dá nada, preciso de muito tempo de dado.  

Já há algum tempo estamos criando projetos e entendendo, comportamento e relacionamento e associando com o que vendemos.  

Além das novas comunidades aparecendo todos os dias, também aparecem as novas ferramentas, como lidar com isso?  

Faço muita comparação com a dinâmica do meu filho de 12 anos. O quanto aprendo com as coisas que ele aprende, como vejo ele jogando e conhecendo o mundo, já que nativamente não conheço, mas aprendo com a vivência do meu filho e dos amigos dele. Então, essa tecnologia que muda é fascinante, mas ao mesmo tempo não dá para ter a pretensão de acompanhar, porque é muita coisa, precisa ser escolhidos alguns assuntos.  

A minha estratégia pessoal é saber de tudo um pouco e saber com quem preciso conversar quando quero saber mais, além de ser aberto a conversa. Se eu não entender que plataforma estou usando, não posso começar uma reunião. Tenho que mostrar que posso resolver o problema do cliente com o bom conteúdo em qualquer lugar, E para isso é preciso ficar tentando aprender tudo o que existe.   

Quais são os desafios e a estratégia a ser usada em 2020?  

No ponto de vista corporativo, estamos ganhando maturidade no uso dos dados. Nos últimos anos, várias empresas criaram vários sistemas para coleta de dados e contrataram cientistas de dados, e nesse ano vamos sair um pouco mais da experimentação para ter ações mais concretas. Já temos algumas ações em casa, que de fato, foram tomadas a partir de uma análise de dados ou de uma projeção de comportamento. 2020 temos assuntos mais maduro e robustos, e agora estamos tomando decisões a partir de dados.  

Estamos saindo de várias áreas “começamos a ter” para “operando de fato”. Não apenas no nosso mercado, vejo de maneira geral, em outras indústrias já temos ações com resultados mais significativos com o uso de dados, e cada vez com as funções espalhadas pela companhia.  

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdGeek

+ Ver mais

Saraiva prepara para fãs estreia de STAR WARS

por Nicole Fanti Siniscalchi

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald