A paixão de adultos e crianças por personagens de filmes, animações e quadrinhos têm sido aposta certa para o marketing de empresas, especialmente shopping centers.

A 2a1 Cenografia, que há 20 anos é referência nacional no desenvolvimento de produções natalinas e detém as licenças exclusivas das maiores corporações do mundo, como Dreamworks, Maurício de Sousa Produções, Play-Doh e Nickelodeon, vê crescer a demanda por projetos na área de entretenimento também nos outros meses do ano, além de dezembro.

“Começamos com 4 licenças. O aumento do número de shoppings center em todo o país, cresce a disputa pela atenção do público consumidor, e o entretenimento e os espaços de lazer tornam-se receitas certas para isso. No Natal, os shoppings costumam registrar um aumento de cerca de até 15% no fluxo de pessoas e vendas, muito em razão das atrações natalinas, desenvolvidas especialmente para essa época do ano. De olho nesse incremento, nossos clientes passaram também a solicitar projetos para oficinas e áreas de recreação em outros meses, como junho e julho, com objetivo de promover maior interesse e engajamento do público com as atrações infantis”, explica Daniele Paulino diretora comercial da 2a1 Cenografia.

Com essa proposta, a 2a1 Cenografia apresenta um calendário de eventos temáticos em todo o Brasil. “Em junho, época de festas junina, teremos o Arraiá do Chico Bento em Aracaju e Bahia. No mês de julho, mês das férias escolares, teremos Authentic Games, em Curitiba e em São Paulo, um espaço grandioso do filme Madagascar, em São Paulo; a Turma da Patrulha Canina, em São Bernardo, São Paulo, Belo Horizonte e Osasco; o espaço Nickelodeon, em São Paulo e Uberaba, só para citar alguns. São espaços com exibição de filmes, playground, oficinas de slime, em alguns deles até tirolesa”, completa Caio Paulio diretor de Marketing da 2a1 Cenografia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald