As imagens e vídeos que vemos todos os dias têm um grande impacto no nosso senso de auto-estima e amor próprio. Uma área em que vemos essa discussão se tornando cada vez mais importante é em torno da representação dos homens e do que significa ser masculino. Renata Simões, gerente sênior de conteúdo criativo da Getty Images na América Latina, explica:

 

Com a mudança da mídia, qual é a importância da mudança na imagem dos homens?

Dados da Getty Images mostraram um aumento de 53% nas pesquisas de clientes de termos como “pais gays”, “meditação masculina” aumentou 126% e as pesquisas de “Pai Solteiro” aumentaram 60%. A necessidade de mudança na representação dos homens é clara: os homens estão cada vez mais respondendo a histórias empáticas e autênticas que visualizam as possibilidades complexas e diversas de ser um homem.

 

O Getty pretende criar um banco com casais LGBTQIA+?

A Getty Images está empenhada em representar com precisão todas as comunidades. No mês passado, pela primeira vez, organizamos uma premiação que centrou seu foco no fornecimento de conteúdo que celebra a vida e as narrativas das comunidades LGBTQIA+. Os três vencedores foram convidados a licenciar seu conteúdo premiado através da Getty Images.

 

Antes de a imagem ser entrar no banco, ela pensa no impacto que ela terá? A Getty Images pensa na saúde mental das pessoas que vêem as imagens?

Aqui na Getty Images, fizemos uma parceria com o CALM Photography Movement, um coletivo que visa aumentar a conscientização e os fundos da Campaign Against Living Miserably (CALM), uma instituição de caridade premiada dedicada à prevenção do suicídio masculino. Nossa colaboração lançou uma competição para os fotógrafos “reimagenarem” doenças mentais, na esperança de desafiar estereótipos de masculinidade tradicional e manutenção da saúde mental. A imagem resultante era poderosa, comovente e de perspectiva, incentivando uma expansão da auto expressão masculina através da fotografia.

 

O que se pode dizer sobre a publicidade que gira em torno das imagens?

Durante séculos, a mídia apresentou uma paleta restrita de possíveis identidades masculinas para aspirar: “o palhaço”, o pai incompetente da TV ou o homem trapalhão dentro de casa em uma infinidade de comerciais; o “herói”, pensando na maioria das propagandas esportivas; “O cara durão” dos comerciais de cerveja e o Marlboro Man; “Abman”, com abdômen esculpido e malhado e corpo destacado em “hunkvertising” (objetificação dos homens na propaganda); “Homem solitário e existencialista” de muitos anúncios de carros, sozinho com o carro e a paisagem livre de pessoas, habilidades sociais guardadas no porta-luvas. Apesar da popularidade do tipo “rebelde” de fora como modelo para masculinidade, o conformismo com um tipo ou outro é uma opção psicologicamente mais fácil.

Com a geração do milênio rejeitando os estereótipos de gênero, uma nova onda de feminismo domina nossa conversa social e as questões LGBTQ avançam lentamente as expectativas da narrativa visual tradicional estão sendo desafiadas

 

Qual a importância da Internet e das mídias sociais para o uso de imagens?

Dada a evidente crise da masculinidade em uma cultura social e visual que está mudando rapidamente, os criativos em publicidade têm a oportunidade de deixar de lado os estereótipos masculinos maçantes e destrutivos do passado. Vamos trocar competitividade com comunidade, silenciamento com apoio e abrir espaço para vulnerabilidade e diversidade. Trata-se de estar aberto a sentimentos diferentes e não se apressar em determinar um senso de si com estereótipos pré-determinados.

 

Qual é o posicionamento da empresa sobre essas mudanças na representação de homens?

Embora os últimos anos tenham sido focados, com razão, abordando o retrato de mulheres na publicidade e na mídia, há uma crescente consciência de que os estereótipos para representar homens também são extremamente desatualizados. Demografia e mudanças culturais estão tornando irrelevantes as noções unidimensionais comuns de masculinidade e, em 2019, os homens continuarão a ser libertados de estereótipos visuais estabelecidos há muito tempo, à medida que vemos mais imagens abraçando a emoção, vulnerabilidade e complexidade masculinas. Os papéis de gênero estão evoluindo à medida que as conversas continuam a abordar o caminho da igualdade para as mulheres e a libertação de rígidas restrições masculinas.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald