A tradição da Jeep em oferecer experiências que se transformam em novas histórias, começou em 1941 quando o primeiro modelo da marca foi criado. Batizado de Willys, ele teve o seu test drive inaugural em um campo de batalha guiado pelo exército americano durante a Segunda Guerra Mundial. De lá para cá, já são mais de sete décadas de histórias contadas a partir dos valores da marca: aventura, liberdade, autenticidade e paixão. Para celebrar seus 78 anos, a Jeep em parceria com a agência F.biz apresenta uma campanha integrada, que estreou nesta sexta-feira, (06), com o filme “Linha de Montagem”, em tevê aberta e fechada. O vídeo de 30´ conta a trajetória da montadora desde o seu início no front até os dias atuais. Para o digital e mídias sociais, foram criadas peças de 15’´ personalizadas que comunicam os principais diferenciais do Jeep Renegade e Jeep Compass, além de reforçar o posicionamento do automóvel de modo segmentado para mostrar por que ele é Jeep.

“O Jeep Renegade e o Jeep Compass são os dois SUVs mais vendidos do País desde quando foram lançados. Disponível no mercado em abril de 2015, o Jeep Renegade já teve 219.438 mil unidades comercializadas até hoje e o Jeep Compass atingiu a marca de 155.116 mil carros emplacados desde outubro de 2016 até agosto de 2019. Para comunicar a linha 2020 dos dois modelos, criamos uma campanha integrada que reforça o peso da história da marca“, disse Frederico Battaglia, diretor de brand marketing communication da Fiat Chrysler Automobiles (FCA) para a América Latina.

De maneira cinematográfica, o filme apresenta um Jeep Renegade e um Jeep Compass que ultrapassam a artilharia de uma unidade militar, passam por um astronauta na Lua, atravessam um acampamento hippie e chegam à atualidade incólume para simbolizar todo os obstáculos que já superou. Durante as cenas, além das condições especiais de venda do Jeep Renegade e Jeep Compass, o filme apresenta funcionalidades como a Tração 4X4, a central UConnect de 8,4´ e motorização Flex ou Turbodiesel. O filme será veiculado em TV aberta e fechada. Além disso, a campanha também terá peças publicitárias em spots de rádio e Out Of Home (OOH). Confira o vídeo:


Ficha Técnica
Título: Linha de Montagem
Anunciante: FCA
Produto: Jeep
Agência: F.biz
CCO: Adriano Alarcon
Vice-Presidente de Criação: Alessandro Bernardo
Diretora de Conteúdo: Fernanda Fontes
Diretor de Arte: Marcus Mesquita, Piu Afonseca e Romulo Caballero
Redator: Erich Moreira, Fabio Cardoso e Thiago Monteiro
Conteúdo: Daniele Rodrigues, Bruna Azzolini e Guilia Perrone
RTVC/ Artbuyer: Vivi Guedes e Aline Fernandes
CSO: Renata d’Ávila
Planejamento: Sara Silva e Annahy Laira
Mídia: Leonardo Gomes, Erick Zanelli, André Guimarães, Renata França e Camila Mattos
CBO: Juliana Vilhena Nascimento
Negócios: Daniela Lancellotti, Juliana Passini, Mariana Demarche, Bruno Giorgetto, Heloisa Torezan, Larissa Gama, Mariana Oliveira, Tulio Pizano e Mariana Silva
Produtora: PBA CINEMA
Direção: Brenno Castro
Assistente de Direção: Diego Martins
Direção/ Produção Executiva: Mayra Gama, Fernando Fanucchi e Nivio Alves de Souza
Coordenação/ Direção de produção: Mariana Cassa e Reinaldo Faria
Atendimento Produtora: Gabriela Fernandes, Markinhos Fagundes e Natalia Pinheiro
Atendimento de Pós Produção: Diulle Sorrentino
Diretor de Fotografia: Will Etchebehere
Diretor de Arte Produtora: Andres Zarza
Figurino: Giovana Moretto
Make Up: Regina Mendonça
Montagem: Daniel Fiori
Finalização: Warriors VFX
Coordenação de finalização: Mario Ubirajara
Produção de finalização: Renan Chagas
Cor: Bleach Filmes e Sergio Pasqualino
Supervisor de efeitos: Daniel Soci Severino
Produtora de Som: WEJAM ÁUDIO
Criação Trilha: Gustavo Soares
Produção Trilha: Oswaldo Sperandio
Locução: Celso Frateschi
Produção Executiva: Rodrigo Prado
Cliente: Frederico Battaglia, Maria Lucia Antônio, Marjorie Kockanny, Rafael Pires, Arthur Mendes e Livia Lira

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald