No Novotel Morumbi durante a noite de segunda-feira (23), em São Paulo (SP), foram apresentados os novos uniformes das Seleções Brasileiras de Rugby, os Tupis e as Yaras. O evento contou com a presença de alguns jogadores da seleção além de jornalistas.  Agustin Danza, CEO da CBRu, iniciou evento contando um pouco sobre a criação dos antigos uniformes e a forte conexão com as tribos indígenas que são representadas nas camisetas e no logo do guerreiro Tupi. 

No evento foi oficializando a nova parceria com a marca Flash, empresa argentina de materiais esportivos tradicional no rugby, passou a fornecer os novos uniformes, mais leves e tecnológicos em relação aos anteriores. Segundo o capitão do time, Felipe Sancery, o novo uniforme é bem confortável além de se adaptar bem ao corpo. 

Agustin Danza, CEO da CBRu, afirma que: “A Flash é uma fornecedora especializada em materiais de rugby, produz os uniformes para alguns dos principais clubes da Argentina, então entendem perfeitamente as necessidades que nós temos. E eles abraçaram nossa parceria com muita energia, por isso assinamos um contrato de quatro anos, que incluirá a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 e a Copa do Mundo de Rugby 2023, é uma de nossas metas. Tenho certeza que é o início de uma parceria duradoura”. 

“O uniforme que lançamos é um reforço do nosso vínculo com a identidade dos Tupis, que carrega os traços indígenas, e como a Flash é uma empresa especializada em rugby, traz tecnologia superior em tecido, que respira muito mais e gruda no corpo muito bem, e vai acrescentar aquele ‘1%’ de melhoria, que a medida que fazemos jogos mais difíceis, faz toda diferença e ajuda na definição de uma partida”, complementa Danza.

Quem também comentou sobre o novo uniforme dos Tupis e Yaras foi Marcio Parizotto, diretor de marketing do Bradesco, patrocinador máster da CBRu. “Nada melhor do que estrear o novo uniforme em mais uma partida que vai ficar marcada na história do rugby brasileiro: a inédita disputa dos Tupis contra os Barbarians em novembro”, comentou, ressaltando a partida que será realizada em 20 de novembro, no Estádio do Morumbi.

Após coquetel, também foi anunciado uma nova patrocinadora da Confederação Brasileira de Rugby (CBRu), a TIM, primeira empresa de telecomunicações a apoiar a entidade. O contrato é válido por um ano e contempla o apoio ao Beach Rugby, em dezembro, que marca o encerramento do calendário nacional da Brasil Rugby.

A marca da TIM está estampada nas costas do novo uniforme. “Para nós é uma honra contar com a TIM como patrocinadora da CBRu, pois trata-se de uma marca conhecida por ser inovadora e por apoiar o esporte. Esperamos que esse seja o início de um relacionamento de longo prazo e temos certeza que a TIM conseguirá aproveitar ao máximo o extenso cardápio de eventos de rugby que conseguiremos oferecer ao longo do ano”, afirma Agustin Danza, CEO da CBRu. “Agradecemos a TIM pela confiança e ressaltamos que esse apoio será muito importante para o sucesso dos nossos grandes desafios, que são ter um grande resultado nos Jogos de Tóquio 2020 com a Seleção Feminina e buscar uma vaga na Copa do Mundo de Rugby 2023 com a Seleção Masculina”, complementa.

“O rugby tem valores muito alinhados ao que a TIM acredita. É um esporte que vem crescendo no Brasil, com mais de 5 milhões de fãs, segundo pesquisa recente, e esperamos nos aproximar desse público e reforçar nosso posicionamento de marca. Estamos felizes em apoiar também a equipe feminina, em linha com o nosso compromisso com a diversidade e inclusão”, destaca Ana Paula Castello Branco, diretora de Advertising e Management da TIM Brasil.

A TIM é o 16º patrocinador da CBRu, que nos últimos dois anos fechou diversos patrocínios novos, como Correios, AccorHotels, O Boticário e agora a Telecom. Além do patrocínio em si, a empresa anunciou que será um dos patrocinadores principais do Beach Rugby, ao lado do Bradesco, em evento que tradicionalmente encerra o calendário de eventos do rugby brasileiro, em dezembro.

Imagens: João Neto/Fotojump 

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald