Segundo os resultados de uma pesquisa realizada pela TNS, quase um quinto (19%) dos seis bilhões de consumidores de tecnologias móveis ao redor do mundo já utilizam ao menos algum tipo de LBS (serviço baseado em localização).

 
No Brasil, a localização de amigos foi mencionada como a principal finalidade de uso de LBS, com 38% das menções. A integração de localização enriquece também as experiências dos brasileiros com suas redes sociais, prova disso é o fato de que 12% dos usuários de redes sociais utilizam ferramentas como o Foursquare ou o Facebook Places para informar seus amigos sobre sua localização. 
 
No que diz respeito ao relacionamento dos consumidores com as marcas através dos meios digitais móveis, os brasileiros já perceberam que podem se beneficiar do LBS – 19%  compartilham sua localização com as marcas em troca do recebimento de ofertas especiais, que são de grande interesse para 45% dos respondentes.
 
 
 Esta diferença entre fazer e ter interesse indica que há uma parcela de pessoas que procuram algum retorno específico de lojas e negócios através da localização, mas que ainda não a executam efetivamente. Uma saída pode ser a comunicação mais ativa das marcas através de propagandas, já que 21% dos usuários de celulares e smartphones afirmam achar interessante esta abordagem em seus aparelhos móveis, desde que oferecendo alguma vantagem ou oferta nas redondezas.
 
Para Alexandre Momma, diretor de atendimento da TNS e responsável pelo estudo: “Os serviços móveis baseados em de localização estão em plena ascensão e são extremamente promissores. Os usuários percebem que compartilhar sua localização pode trazer benefícios na forma de descontos e ofertas exclusivas. É a combinação de momento e contexto que torna o LBS uma ferramenta poderosa para as marcas explorarem as inúmeras vantagens que a função oferece”.

Ainda de acordo com os resultados do estudo da TNS, no Brasil, existe uma abertura de 85% ao LBS para 2012. 
 
Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald