O Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema chega à sua 21ª edição e, pela primeira vez, acontecerá em duas sedes: Fortaleza e Juazeiro do Norte. Na capital, o evento será de 8 a 15 junho, enquanto na cidade de Juazeiro o festival irá acontecer entre os dias 9 e 16.

 
O evento leva ao público mais de cem produções brasileiras e ibero-americanas de cinema e vídeo, promovendo o intercâmbio entre profissionais do audiovisual e abrindo espaço para os novos talentos da área. O Cine Ceará também apresentará as Mostras Competitivas de Curta e Longa metragem, além de seminários, oficinas e mostras especiais.
 
O tema “Religião e Religiosidade no Cinema” é uma homenagem aos 100 anos de emancipação política de Juazeiro do Norte, conquistada por meio do trabalho social, religioso e político realizado pelo Padre Cícero na região do Cariri, sul do Ceará.
 
Na lista de longas-metragens selecionados para a Mostra Competitiva estão nove produções, todas inéditas no Brasil, sendo três nacionais: “O coro”, de Werner Schumann, e dois filmes cearenses, “Homens com cheiro de flor”, de Joe Pimentel, e “Mãe e filha”, de Petrus Cariry. O vencedor da categoria de melhor longa será premiado com o Troféu Mucuripe e dez mil dólares.  
 
Já a Mostra Competitiva de curtas-metragens brasileiros contará com 12 títulos, entre ficções, animações e um experimental. Os curtas disputarão o Troféu Mucuripe nas categorias Melhor Curta, Direção, Roteiro, Produção Cearense e Prêmio da Crítica.
 
O 21° Cine Ceará é promovido pela Universidade Federal do Ceará, numa realização da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura (Secult), e do Ministério da Cultura, por meio da Secretaria do Audiovisual, com produção da Associação Cultural Cine Ceará.
Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald