O governo venezuelano fechou ainda mais o cerco contra os meios de comunicação independentes. Agora as redes sociais, principais veículos de divulgação e comunicação dos participantes das manifestações, irão ter seus acessos vetados.

De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo, por meio do provedor CANTV, o governo recorreu à estratégia de bloquear temporariamente as páginas do Facebook, Twitter e aplicativos de mensagem.

O alvo mais recente do governo de Nicolás Maduro é o Zello, aplicativo muito popular no país e utilizado por manifestantes, que funciona como uma espécie de "walkie talkie". O diretor geral do app, Bill Moore, disse à agência Associated Press, que a companhia trabalha no desenvolvimento de atualizações que permitam furar o bloqueio. 

Redação Adnews

Com informações do jornal Folha de S. Paulo