Uma velha máxima nos campos dos negócios, administração e marketing costumava dizer que “o cliente tem sempre razão”. Correto? Nem sempre. A estratégia é arriscada, mas dar uma lição de moral no cliente também pode ter uma repercussão positiva. Como? Uma pequena empresa fabricante de squeezes personalizados, chamada Liberty Bottleworks, tem um case interessante e que está dando o que falar nas redes sociais dos Estados Unidos.

Na conversa original, que foi removida pela fanpage da companhia, um cliente mal-humorado postava seguidas mensagens dizendo que não obtinha respostas da empresa no momento em que ele gostaria (era um sábado). Foi então que o próprio co-fundador da empresa, Ryan Clark, resolveu entrar em cena.

Em um dos trechos Ryan disse: "Recebemos suas inúmeras mensagens de voz e e-mails. A responsabilidade é minha, mas nossa equipe de atendimento ao cliente não vai ajudá-lo nos fins de semana. Seu correio de voz afirmou ‘estamos no período de férias e você deveria estar trabalhando’ e seu e-mail disse ‘em vez de fazer meus cartões de Natal e aproveitar o espírito do feriado, eu estava lidando com isso’. Talvez você precise passar um pouco mais de tempo abraçando o espírito do feriado. Meus funcionários estavam em casa com suas famílias fazendo seus cartões, biscoitos, etc. Familiares em primeiro lugar, produtos em segundo".

Depois que o diálogo caiu nas redes sociais e nos sites americanos, a fanpage da Liberty Bottleworks ganhou uma legião de fãs, todos simpatizantes da filosofia “familiares em primeiro lugar, produtos em segundo". Ryan Clark disse ao canal de TV americano Kima-TV (afiliada da CBS), que as vendas quase dobraram depois da resposta ao post do cliente, sem contar os milhares de likes no Facebook e o espantoso crescimento no site da empresa.

Confira o print da conversa:

Redação Adnews
Com informações do Adweek

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald