Há algum tempo as redes sociais são ótimas ferramentas para aproximar as marcas de seu público. A rede de restaurantes Outback sabe disso e quer proporcionar um encontro descontraído entre amigos e de quebra uma “Bloomin’Onion” (a cebola dourada) de cortesia. A franquia lança hoje (17), aplicativo Mesa do Outback.

A ação, criada pelo rede em parceria com a agência Lew'LaraTBWA e apoiada pela cervejaria Ambev, consiste em formar uma mesa virtual com os amigos e, depois, tornar o encontro real. Para celebrar, o Outback presenteará o grupo com um dos aperitivos ícones do seu cardápio: a famosa Bloomin’Onion®, cebola gigante dourada.

Para participar, a pessoa precisa acessar o aplicativo pela página oficial da rede no Facebook e agendar uma data para o Billabong Hour, o happy hour que acontece de segunda a quinta-feira (exceto feriados), das 18h às 20h. Depois de selecionar a data e o restaurante, basta convidar cinco amigos para a brincadeira. Para ganhar o aperitivo, todos os amigos devem aceitar o convite e sentar-se à mesa virtual.

Quando todos estiverem virtualmente sentados, o aplicativo disponibilizará um voucher do aperitivo. Então, basta imprimir e apresentar, acompanhado dos cinco amigos, no restaurante escolhido na data agendada. Os participantes ainda poderão compartilhar a novidade na timeline e estimular ainda mais amigos a participar.

“Somos uma marca social que gera momentos agradáveis de compartilhamento. Queremos que nossos fãs celebrem, reúnam os amigos e transformem encontros virtuais em momentos únicos, genuínos e reais”, explica Antonio Marchese, diretor de marketing do Outback Brasil. “Acreditamos em estratégias que conectem nossos clientes aos restaurantes e às redes sociais de uma forma intensa e verdadeira e, por isso, mais uma vez apostamos em uma ação que envolve todos esses pilares”, finaliza.

Redação Adnews

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald