A  MasterCard  é nova a patrocinadora oficial da Seleção Brasileira. O contrato mundial de patrocínio, com duração de 7 anos e meio, vai oferecer à companhia de meios de pagamento a oportunidade de desenvolver promoções para seus consumidores, clientes, varejistas e parceiros.

 

O contrato de patrocínio entre a MasterCard e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) inclui o patrocínio de todas as equipes pelas quais a CBF é responsável: seleção masculina, seleção feminina, sub-20 e sub-17.
 

"Futebol é o esporte mais amado do mundo todo e o Brasil, sendo uma das maiores potências econômicas e um dos países mais visitados por turistas estrangeiros, tem fãs por todo o globo. Acreditamos ser essa a combinação perfeita e vitoriosa quando falamos em patrocínio", comenta Gilberto Caldart, presidente da MasterCard Brasil e Cone Sul. "Para a MasterCard, este patrocínio significa a oportunidade de proporcionar aos fãs de futebol de todo mundo acesso a uma das seleções mais amadas, e além disso, celebrar o Brasil – um país mundialmente conhecido por suas riquezas em cultura, música, gastronomia e esportes – na mesma rapidez e conveniência em que ocorre uma transação com cartões MasterCard.
 

Até 2020, a MasterCard será a única patrocinadora da Seleção no segmento de meios de pagamento, e terá acesso aos direitos de branding e benefícios em algumas partidas, como pré-venda de ingressos, entre outros.

"A MasterCard tem uma longa história com o futebol. Agora, a Seleção Brasileira de Futebol será uma das "joias" da empresa no que se refere aos ativos de patrocínio, que já conta com a Liga dos Campeões da UEFA (desde 1994) e a Copa América CONMEBOL (desde 1991)", comenta Rogerio Bonfiglioli, vice presidente de marketing da MasterCard Brasil e Cone Sul. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald