A rede Publicis Communications anunciou mudanças na liderança de duas de suas agências. Desde a segunda-feira, (4), Miriam Shirley deixou a copresidência da Publicis Brasil para se tornar CEO da Sapient AG2. Eduardo Lorenzi, que até então também respondia como copresidente da Publicis, assume agora a liderança integral da agência. Marcelo Lobianco, que durante três anos foi CEO da Sapient AG2, está deixando o grupo.

Segundo Justin Billingsley, Global Chief Operating Officer da Publicis Communications, a mudança é um reconhecimento ao trabalho que Lorenzi e Miriam desenvolveram nos últimos anos. Ele acredita que a movimentação fortalecerá no Brasil o Power of One, modelo de trabalho que permite potencializar as expertises das agências do grupo em prol dos clientes.

“A Miriam tem um DNA digital muito forte que contribuirá para a consolidação no país da marca Sapient, uma das consultorias tecnológicas mais admiradas do mundo. Já a visão estratégica do Eduardo será fundamental para guiar a Publicis em um mercado onde dados, criatividade e tecnologia andam sempre juntos. Os dois são lideranças reconhecidas da indústria e tenho certeza de que vão brilhar ainda mais na nova fase”, comenta.

Conselheira do Grupo de Mídia, Miriam foi por 8 anos diretora-geral de Mídia da Ogilvy, atuou por 6 anos como diretora-geral e VP sênior da Starcom Worldwide no México e passou pela Leo Burnett Chicago e a Leo Burnett Brasil.

Eduardo Lorenzi iniciou a sua carreira na Talent (hoje Talent Marcel) há 22 anos. Em seguida, foi para a Neogama/BBH, onde passou dez anos atuando como Head of Planning Latam até se tornar sócio da agência. Lorenzi foi eleito profissional de Planejamento do Ano pela APP em 2013 e foi duas vezes indicado ao mesmo título pelo Caboré, em 2011 e 2015.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdSports

+ Ver mais

Allianz Parque apresenta mascote

por Gabriel Sousa

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald