Os aplicativos de carona surgiram como forma de serviço complementar. No entanto, diversas pessoas passaram a ingressar na área por conta do desemprego. O crescimento dessa forma de trabalho gerou saturação na cidade de Nova York e a Comissão de Táxis e Limousines (TLC) detectou quedas crescentes no pagamento de 85% dos motoristas, que ganhavam menos que o salario mínimo da região, de U$15,00 por hora.

Com essa situação em mente, uma espécie de salario mínimo foi instituído e o piso será de U$26,51 por hora, sem descontar as despesas diárias. Um comunicado do New York Taxi Workers Alliance afirma que a lei é a primeira tentativa real de impedir que os aplicativos façam cortes nos pagamentos.

No entanto, as empresas não se encontram tão otimistas. Tanto a Uber quanto a Lyft afirmaram acreditar que os motoristas devem ser capazes de ganhar salários dignos, a Uber alertou também que “a lei causará aumentos de tarifa mais altos do que o necessário”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald