Alguma vez você já passou por aquela quebra de expectativa quando pediu uma coisa e não recebeu exatamente o que você queria? Isso tem acontecido na realidade de muitos consumidores de Guaraná, que queriam beber o Original do Brasil, mas receberam outra opção no lugar. Para diminuir a frustração dos consumidores, Guaraná Antarctica lança a campanha “Programa de Troca”, que vai garantir ao público o poder de trocar a lata recebida por uma do verdadeiro Guaraná Antarctica.

“O nosso produto é sinônimo de categoria e líder absoluto no sabor guaraná no Brasil. Então, quando uma pessoa vai em um restaurante e pede um guaraná, ela provavelmente quer o guaraná original do Brasil. Essa quebra de expectativa, que é frustrante, acontece quando o consumidor faz o pedido e não recebe o guaraná esperado”, conta Bernnardo Bonnard, gerente de marketing de Guaraná Antarctica.                                           

No “Programa de Troca”, o consumidor poderá entregar seu guaraná que não é o Antarctica e receber um Original do Brasil. Para isso, basta levar uma lata do outro refrigerante em um dos postos e solicitar a troca. Serão dois postos físicos, um no Shopping Morumbi, em São Paulo, e outro no Barra Shopping, no Rio de Janeiro, e os consumidores ainda têm a opção de fazer a troca online através das redes sociais da marca. A ação é válida de 7 a 16 de fevereiro apenas para latas de 350ml e dá direito a uma troca por CPF.                                       

Criada pela Almap BBDO, a campanha ainda contará com ações nas redes sociais e um filme na televisão para alertar o público sobre essa situação desagradável. Confira aqui.

Então, chega de frustração. Pegue aquele refrigerante de guaraná e troque pelo Guaraná Antarctica, o único Original do Brasil.

Veja o aqui o filme da campanha: 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald