Há quem pense em dinheiro todo dia, toda hora. Porém, acompanhar e planejar a vida financeira não é uma tarefa fácil e requer tempo. Fato é que, pensando ou não em cifras, todos deveriam ter um restrito controle financeiro e gerencial de seus investimentos e, claro, das contas bancárias. Afinal, essa é a forma mais segura de realizar seus sonhos, metas e conquistas pessoais ou até mesmo de se preparar para um imprevisto ou uma crise econômica.

Diferente da maioria dos Apps financeiros, em que os usuários precisam classificar os gastos e investimentos manualmente, o Fliper faz a consolidação de forma automatizada e transparente ao cliente. Os usuários podem dar adeus às planilhas de Excel, às diversas senhas e aos diferentes modelos de usabilidade que tradicionalmente usam.

Assim como nos Apps de mobilidade urbana, para usar o aplicativo é preciso fornecer informações. Neste caso, atalhos e logradouros dão lugar a dados bancários, de fintechs e de corretoras de investimentos (número da conta, agência e internet banking). O aplicativo identifica todas as informações e em alguns minutos faz uma análise inteligente de dados e passa a orientar os usuários a alcançarem os seus objetivos.

Vale ressaltar que o App não representa riscos, uma vez que os dados obtidos ainda não permitem qualquer tipo de transação, apenas visualização. Ademais, todas as normas técnicas e do sistema financeiro estão incorporadas, assim como o altíssimo padrão de segurança, que apresenta o mesmo nível da tecnologia de criptografia dos grandes bancos.

Em tempo: O Fliper foi lançado em outubro de 2018 e hoje ja conta com mais de 5.000 usuários, 4.000 contas mapeadas e mais de meio bilhão de reais em ativos financeiros em acompanhamento. Está disponível para download para sistemas IOS e Android, somente mediante convite.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald