Você sabe o que é geomarketing? Se pensou em algo sobre localização e geografia, pensou certo. Mas geomarketing é muito mais do que isso. É um estudo de geolocalização que levanta dados como o potencial de consumo de um lugar ou de seu entorno, o tipo de público, a faixa etária e até o fluxo de pessoas de um determinado ponto. Ou seja, une às estratégias de marketing um conhecimento de dados que pode ser determinante no futuro de um negócio. “Você vê todas essas informações em mapas de calor ou ícones e isso ajuda a tomar a melhor decisão”, explica José Fugice, CEO da Goakira Consultoria e Gestão de Rede de Negócios.

No Brasil, essa ferramenta tem sido muito utilizada pelo varejo, tanto na implantação de lojas próprias quanto de franquias,  mas a validade do que se consegue mapear pode ser aproveitada em diversos setores. Fugice conta que já lançou mão do geomarketing para a abertura de uma escola. Os dados ajudaram a definir a melhor região de acordo com o perfil de público que a instituição pretendia atingir.

E não há limites para aplicar esses estudos. Eles também são muito recomendados em projetos de expansão de negócios e até na definição da vocação comercial de um imóvel, por exemplo. Assim, amplia-se a assertividade dos projetos.

O geomarketing ainda pode ser um auxílio importante no market share, traçando metas adequadas para as equipes diante do perfil do mercado em que se está inserido, sem ficar só na intuição e, por consequência, analisar a performance do negócio pela realidade.

Mas vale um alerta: dados sem análise correta podem tirar o seu projeto de negócio do mapa. “Vejo que muita gente se preocupa em buscar a ferramenta”, afirma Fugice. “A ferramenta está aí. Mas é preciso um bom consultor especializado para analisar esses dados e ajudar a tomar uma decisão. Não adianta ter um bom avião sem um piloto bom que o conduza.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald