Diversidade ESG

Diversidade: ponto de partida para práticas ESG

Segundo o Instituto Locomotiva e o Data Favela, mulheres, negros e classes C, D e E concentram mais de 80% das intenções de compra do Brasil. Este por si só, já é um belo motivo para entender que implementar programas e ações concretas em prol da diversidade e da inclusão é uma estratégia vital para que as empresas sejam mais lucrativas e longevas nos tempos atuais.

As empresas precisam se conectar para entender e atender bem à diversa maioria de pessoas que têm a intenção de comprar produtos e serviços no Brasil. Sem incluir a diversidade, não dá para fazer bons negócios. Trata-se de uma questão de sobrevivência, pois organizações com lideranças diversificadas têm maior probabilidade de compreender as necessidades de uma base plural de clientes.

E que bom que a inclusão das diferenças também dá lucro ou pode melhorar os resultados financeiros dos negócios, mas esse não deve ser o principal motivo que move uma empresa na direção da diversidade, que está transformando a forma como as companhias estão enxergando o futuro.

Vem daí a importância das práticas ESG (Environmental, Social and Governance – em português: ASG – Ambiental, Social e Governança), que, de forma estruturada, buscam garantir que as empresas estejam comprometidas em transformar o mundo corporativo em um lugar mais equilibrado e com mais oportunidades para as pessoas.

O ESG promove que, independentemente da obsessão pelo lucro, as empresas precisam fazer o que é preciso ser feito. Por isso, suas práticas apoiam líderes transformadores, que provocam suas empresas a construírem um futuro melhor a partir das escolhas e dos investimentos que elas fazem hoje. São esses os profissionais que, de forma corajosa, mostram que lutar por equidade, direitos humanos e respeito (temas evitados no mundo corporativo) não é questão polêmica ou ativismo, mas sim a coisa certa a se fazer.

E o certo a se fazer é cuidar da forma como o mundo corporativo se relaciona com as pessoas que fazem parte de seu ecossistema: com os clientes, os colaboradores e a comunidade. Isso deve ser feito respeitando os direitos humanos, atualizando as leis trabalhistas, melhorando as condições do trabalho e cuidando do clima organizacional. O certo é focar os resultados, mas também o equilíbrio desejado entre os desafios da vida profissional e pessoal; é investir tempo e recursos para cuidar da proteção e do tratamento dos dados dessas pessoas; é apoiar explicitamente a diversidade e inclusão, criando espaços seguros para que as pessoas possam contribuir, somando as suas diferenças.

Este é o papel que se espera das empresas e da poderosa rede colaborativa que podem formar no mundo de hoje, pois juntas, agindo de forma coordenada, elas têm grande influência e força para elevar a régua civilizatória a partir de seus ecossistemas de negócios.

Uma empresa que inclui a diversidade, que respeita e valoriza as diferenças individuais em suas várias dimensões, minimiza preconceitos, desigualdades e elimina a praga dos assédios moral e sexual, que tanto neutralizam o potencial de trabalho das pessoas. Não agir nesse sentido é colaborar para um ambiente desigual, que cria desvantagens para alguns grupos de indivíduos e para todos os tipos de negócio.

*Por Ronaldo Bias Ferreira Jr, sócio-diretor da um.a Diversidade Criativa

Total
5
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Post anterior

O Halloween está cada vez mais brasileiro?

Próximo post
FILA lança Arcade Low, sneaker inspirado no primeiro calçado da marca (1)

Fila lança Arcade Low, sneaker inspirado no primeiro calçado da marca

Posts Relacionados