Hannah Leeming conta os segredos sobre ser mãe dentro do mercado

Hannah Leeming conta os segredos sobre ser mãe dentro do mercado de trabalho

Hannah Leeming, CEO e mãe, conta sua visão sobre como foi gerir sua vida profissional e sua vida como mãe

Com o dia das mães chegando, um tópico muito importante de se lembrar é a relação entre a maternidade e o mercado de trabalho. Ser mãe e desenvolver a carreira profissional pode ser muito mais difícil do que parece. O mercado de trabalho muitas vezes é machista e cercado por preconceitos, o que pode atrapalhar a jornada de mães que tentam empreender ou crescer dentro dele.

Para discutir melhor esse tópico, nós convidamos Hannah Leeming, CEO da Chili e mãe, para uma entrevista em que ela conta quais foram os desafios e experiências sobre esse tema dentro do mercado de trabalho brasileiro e internacional.

Confira nossa entrevista com Hannah Leeming:

AdNews: Muito se fala sobre como o mercado de trabalho trata as mães que empreendem, principalmente no Brasil. Você vê esse elemento como um problema a ser resolvido aqui?

Hannah Leeming: Não acho que seja um problema específico do Brasil, é um problema social mundial sem solução fácil. Na maioria dos países, os pais não recebem licença-paternidade, o que obriga a mãe a tirar licença. Há uma enorme escassez de creches acessíveis, o que significa que, na maioria dos casos, não é financeiramente viável para a mãe voltar a trabalhar, pois todo o seu salário iria direto para os cuidados – sem mencionar a pressão social de colocar seu filho na escola antes da idade de três anos. Acho que as mulheres brasileiras se adaptaram muito bem a isso. Eu estava lendo um artigo que dizia que 29% das latinas estavam interessadas em iniciar seu próprio negócio pós-covid versus 13% das mulheres europeias. O empreendedorismo entre as mulheres disparou durante a covid, pois milhões de mulheres foram forçadas a deixar seus empregos para serem as principais cuidadoras de seus filhos. Foi um pesadelo total com as escolas fechadas e a escassez de babás, uma vez que o mundo estava de quarentena. Eu tive a sorte de ter flexibilidade com folga quando necessário, mas a maioria das mulheres não teria esse luxo.

AD: No Reino Unido, há diferença na facilidade para as mães empreenderem em relação ao Brasil?

HL: No Reino Unido, a licença legal é de 26 semanas. Na China, onde tive meu primeiro filho, você também tem 6 meses de licença remunerada. Tanto o governo do Reino Unido quanto o da China apoiam as empresas para pagar esses períodos de licença que eu acho que é onde o Brasil poderia melhorar. Nenhuma empresa quer deixar uma mãe sem apoio, mas como dona de empresa posso entender as dificuldades de ter que assumir essa responsabilidade sem apoio do Governo.

AD: Quais foram as principais dificuldades em gerir a vida de mãe e a vida de CEO?

HL: Para mim, a culpa sempre foi a coisa mais difícil de administrar. Como mãe, você tem responsabilidade com seus filhos, mas como CEO, você tem responsabilidade com sua equipe. Você se sente culpada por deixar sua equipe para gerenciar a licença-maternidade, então eu costumava fazer ligações com minha equipe a cada poucos dias na licença-maternidade apenas para me manter atualizada. Então, quando você volta ao trabalho, sente culpa por deixar seus filhos com uma babá ou na escola. Além disso, DORMIR! Haha Eu tenho dois meninos com menos de três anos, eles acordam em média 2-3 vezes por noite. Eu não tenho uma boa noite de sono há três anos e alguns dias isso pode realmente afetar seu trabalho.

AD: Ser mãe tem ajudado você a se desenvolver profissionalmente? O lado materno te ensinou algo que você usou durante sua carreira?

HL: Acho que isso me permitiu compartimentalizar melhor as coisas. Antes das crianças, eu ficava no trabalho até tarde e meu dia nunca acabava. Com as crianças, tenho que estar na escola para buscá-las, tento ficar sem olhar meus e-mails/telefone até chegar ao escritório pela manhã. Eu sempre procuro estar presente em cada aspecto, quando estou no trabalho estou trabalhando, quando estou em casa, sou mãe. Isso não quer dizer que uma vez que as crianças estão na cama eu não volto a ficar online e trabalhar hahaha, mas isso me dá pelo menos algumas horas de inatividade. Também me ensinou a colocar as coisas em perspectiva, uma vez que sempre haverá problemas para resolver, no trabalho e em casa, mas acho importante não deixá-los fora de proporção. Eu não sou médica, se eu tiver um dia ruim no trabalho ninguém vai morrer! Eu tenho a chance de consertar tudo de novo no dia seguinte. Para resumir, priorize, não tente fazer tudo. Eu sei que existem mães por aí que costuram à mão lindas roupas de fantasia para todos os eventos da escola, mas prefiro apenas comprá-las e passar o tempo com meus filhos. Acho que cada mãe faz o que está ao seu alcance e o meu objetivo é lidar com eles da forma que eles apreciam mais. No fim do dia,eu não estou tentando impressionar mais ninguém além dos meus bebês.

AD: Como CEO, você busca uma iniciativa que abra espaço para as mães que querem entrar nesse mercado?

HL: Quando você olha para as pesquisas por aí, uma porcentagem maior de mães deseja retornar ao escritório do que seus colegas homens ou não mães (compreensível se você já tentou trabalhar com crianças em casa!), mas os obstáculos podem ser muito difíceis de superar. superados, o que significa que milhões são incapazes de retornar à força de trabalho. Temos a responsabilidade, como gestão, de remover o maior número possível desses obstáculos para nossas equipes. Meu sonho é ser capaz de fornecer uma creche interna para novas mamães, uma iniciativa que minha última empresa na China começou a construir quando anunciei minha gravidez. Também incentivando projetos de intraempreendedorismo que possam fluir em um ritmo diferente para o resto da equipe e permitir que as novas mães gerenciem seu tempo em funções de meio período, híbridas e em período integral. O ambiente digital de hoje nos dá acesso a tantos cursos e treinamentos gratuitos que a capacidade de mudar o foco de sua carreira é agora mais fácil do que nunca. As mulheres precisam ser incentivadas a solicitar esses projetos e iniciativas, a maternidade é um tema tão assustador para os empregadores que muitas vezes evitam essas discussões, mas há muitas maneiras de ambos os lados se beneficiarem de ter mais mães em sua equipe.

AD: A Chili trabalha com marketing digital, que cresce cada vez mais em todo o mundo. Você também vê esse cenário na presença de mães com seus filhos em ambientes online?

HL: 100%! O Covid forçou muitas mulheres a iniciar seus próprios negócios, os mais populares foram baseados em comércio eletrônico ou marketing de blog/influenciador. É uma tendência mundial e acho que dá muita liberdade! Tudo que você precisa é de um telefone e internet.

AD: Que conselho você daria para uma mãe que quer começar no mercado de trabalho e continuar marcando presença na vida do filho?

HL: Peça por ajuda. Peça para o seu empregador, para sua família, seus amigos. Não há fraqueza em pedir ajuda, assim como não há razão para você ter que escolher entre sua carreira e sua maternidade. Certifique-se de encontrar o equilíbrio que funciona para você, ignore as opiniões de outras pessoas sobre quanto tempo é gasto no trabalho ou quanto tempo é gasto com seus filhos – você faz você. Uma mãe feliz = bebês felizes!

Quer saber mais sobre as novidades? Não deixe de seguir o ADNEWS nas redes sociais e fique por dentro de tudo!

Post anterior
Youcom abre sua primeira loja no Ceará e a quarta na região Nordeste  

Youcom abre sua primeira loja no Ceará e a quarta na região Nordeste

Próximo post
Xamã estrela campanha global da Budweiser

Xamã estrela campanha global da Budweiser

Posts Relacionados