Pesquisar tipos de cabelo no Google pode revelar nuances de preconceito racial e a polêmica que surgiu esta semana expôs um caso em particular. Internautas iniciaram no Twitter um acalorado debate sobre a descoberta que resultados das buscas por tranças bonitas levavam a imagens de mulheres brancas de cabelo liso, enquanto as tranças feias levavam a mulheres negras com cabelos crespos. Diante da polêmica, a Fluent, agência expert em conteúdo do Grupo Webedia, responsável pelo conteúdo de marcas como L’Oréal, Johnson & Johnson, P&G e Grupo Pão de Açúcar entende que é papel dos produtores de conteúdo empenhar esforços para incluir no SEO palavras que impactem no ranqueamento de imagens no Google, elencando imagens que traduzem a diversidade do povo brasileiro.

Luther Peczan, vice-presidente da Webedia Brasil e executivo responsável pelo comando da Fluent, ressalta que o Google não pode ser responsabilizado pelas manifestações preconceituosas colhidas pelos algoritmos e que se refletem nos resultados do mecanismo de busca. Mas, ele afirma que é uma oportunidade para todos esses players digitais darem suas contribuições para corrigir essas distorções. “Hoje, infelizmente, o SEO privilegia nas buscas termos mais comuns sem um filtro que impeça contextos racistas, sexistas ou homofóbicos. Mesmo matérias positivas podem aparecer em buscas de termos negativos. Acredito que aqui o ponto da polêmica é muito mais uma crítica à sociedade do que aos mecanismos de SEO em si”, afirma.

Neste sentido que a Fluent decidiu assumir a missão de, com maior ênfase, ser um representante da produção de conteúdos que valorizem todos os públicos, conta Luther. “Ajudar marcas a dominar um território SEO relevante para o seu target é uma responsabilidade, mas também traz a oportunidade de junto com elas impactar positivamente no que é levado ao público.” E para reforçar a pluralidade de olhares, a diversidade é uma marca da Fluent e dos verticais da Webedia, tanto que a equipe de redação conta com jornalistas e produtores negros e de demais etnias.“Uma redação plural é fundamental para termos olhares mistos na composição do nosso conteúdo”, diz Peczan.

“Pode ser uma iniciativa dos mecanismos de SEO educar o algoritmo para evitar esse tipo de situação. Mas os produtores de conteúdo precisam tomar iniciativas para contribuir com essa mudança” complementa.

Entre as medidas concretas estabelecidas na Fluent estão a inclusão de termos positivos a imagens geralmente associadas a conteúdos machistas, sexistas ou racistas. No caso de tranças, por exemplo, os termos escolhidos para categorizar o conteúdo incluem palavras afirmativas além de termos técnicos. “Trabalhar o ranqueamento através do SEO não é algo imediatista, que impacte o resultado das buscas no curto prazo, mas medidas como essa devem aos poucos contribuir para traçar um novo parâmetro ao conteúdo apresentado nas buscas.”

E para contribuir que outros produtores de conteúdo também adotem medidas que contribuam para esta mudança, Luther encerra com 5 dicas para publishers:

1.Para qualquer conteúdo é importante incluir diversidade como prioridade, pois isso precisa ser enraizado durante a produção. Não adianta querer falar com um público diverso do dia para noite. Produzir conteúdo é estabelecer conversas.

2. Mesmo conteúdos positivos podem reforçar estereótipos negativos. Como o Google lê palavras, é importante evitar frases como: “Você acha que isso é feio? Não é não.” Mesmo que a intenção seja positiva, o conteúdo tende a aparecer em buscas com o contexto negativo.

3. Como dito no texto, é muito comum incluirmos no tagueamento de matérias termos técnicos associados ao território do assunto que estamos escrevendo, mas incluir palavras positivas a conteúdos que normalmente são associados de forma negativa podem contribuir para reeducar o algoritmo.

4. Todo conteúdo deve ser pensado para pessoas reais, então mesmo com a dificuldade de encontrar modelos nacionais em bancos de imagens, é importante mostrar imagens de pessoas que representem o público real da comunidade e evitar reforçar estereótipos inalcançáveis.

5. Para se manter no topo das buscas é importante estar sempre conectado à tendências e isso é uma ótima oportunidade para quebrar estereótipos.  Em um conteúdo sobre cabelo platinado, por exemplo, a matéria pode incluir imagens de mulheres negras platinadas, quebrando a imagem mais tradicional de mulheres brancas com este tipo de cabelo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald