Valorant é o jogo de tiro da Riot Games, desenvolvedora de League of Legends (LoL), Teamfight Tactics (TFT) e Legends of Runeterra (LoR). Teve lançamento oficial no dia 2 de junho de 2020, sendo um game de FPS (First-person shooter), com download gratuito para PC.

Sua versão beta fechada foi lançada no Brasil para teste dos gamers e trazendo desta forma as necessidades de atualizações que buscam melhorar as experiências e jogabilidade dos players.

Valorant é um jogo de tiro ágil, tático e com diversas armas como CS:GO e Rainbow Six, mas ao mesmo tempo, traz um lado de fantasia, onde os personagens possuem poderes para atacar um ao outro. O jogo divide 5 jogadores em duas equipes com o objetivo de eliminar os adversários, atacar e plantar uma bomba, ou defender os mapas. No título da Riot, o player vai contar com um arsenal de armas para se proteger, personagens com diferentes habilidades para jogar e diversos mapas para as trocas de tiros acontecerem.


Valorant é o novo jogo de tiro da Riot Games — Foto: Reprodução/Valorant

 

Os números de Valorant na plataforma de streaming, como Twitch, não param de crescer. Ainda mais que seu lançamento foi realizado apenas pela plataforma onde o usuário deveria assistir as lives para conseguir conquistar a chave (key) para acessar a versão teste do jogo.  

Em resposta ao ADNEWS, a head de Publishing da Riot Games no Brasil, Priscila Queiroz,  explicou sobre os lançamentos no mundo de e-Sports e novidades para o Valorant. Veja, a seguir, na entrevista completa: 

ADNEWS – Como foi a decisão para o lançamento de uma versão em testes do jogo Valorant?
Priscila Queiroz: Já é de praxe na indústria de games liberar uma versão de testes de um determinado jogo no intuito que se possa analisar não só o feedback em relação à mecânica do título, mas também a estrutura necessária para o lançamento. Esse é um período importante para que o time de desenvolvimento possa aprimorar o game para que sua chegada ao mercado seja mais satisfatória para o jogador. No caso de VALORANT, um jogo online e de um gênero bastante popular, foi imprescindível realizar testes antes do “valendo”. Ficamos muito felizes de poder realizar o beta fechado no Brasil.  

AD – Como está sendo a procura? A Riot já tinha uma expectativa do lançamento? A meta está sendo batida?
Queiroz: Estamos muito animados com a recepção do público, mas também temos em mente que, no caso de um jogo online, há um trabalho contínuo de aprimoramento. Estamos atentos à resposta da comunidade e estamos muito felizes com o que estamos ouvindo dos jogadores.  

AD – Por que a Riot pensou em inserir ‘chaves’ em transmissões ao vivo?
Queiroz: Essa também é uma prática muito interessante usada pelo mercado de games, que incentiva os streamers a entregar valor para sua audiência. Trata-se de uma estratégia “ganha-ganha”, tanto para a publisher, que busca trazer jogadores para conhecer o seu título, quando para o influenciador, que garante um benefício para os seus seguidores.

AD – Qual é o alcance planejado da Riot Games para o público com as lives?
Queiroz: Não temos uma meta de audiência com as lives organizadas pelos influenciadores que hoje transmitem partidas de VALORANT em diferentes plataformas de streaming. Acompanhamos, é claro, esse movimento e ficamos felizes quando percebemos que nossos jogos lideram alguns rankings, como o da Twitch.  

AD – Como foi o contato entre a Riot e o público durante o período Beta?
Queiroz: Foi muito positivo! Criamos diferentes canais com o jogador, como Discord, fórum e Facebook, por exemplo. Engajamos com essa comunidade desde o início e tivemos a oportunidade de ouvir muito de perto as primeiras impressões desse público, que não necessariamente era o mesmo de League of Legends. 

AD – O que podemos esperar desta versão final do Valorant? Sentiram necessidades de mudanças com a versão beta e com o feedback dos jogadores? 
Queiroz: Trata-se de um processo contínuo de aprimoramento. Escutamos feedbaks durante o beta fechado e implementamos algumas mudanças para o lançamento. Mas essa é uma conversa que vai continuar acontecendo com a comunidade. Estamos animados com a versão final de VALORANT, mas temos a consciência de que será necessário ouvir do jogador o que ele espera do jogo e o que ele gostaria de ver melhorado no game.  

AD – O que podemos esperar da Riot Games para 2021? 
Queiroz: O ano de 2020 tem sido muito intenso! Incluímos o “s” no nosso nome. Lançamos o TFT, o Legends of Runeterra e o VALORANT. Neste momento, estamos rodando o alfa de Wild Rift. Estreamos no mobile e estamos nos adaptando a um cenário novo, totalmente online, com rioters trabalhando de casa e com o nosso torneio, o CBLoL, acontecendo remotamente. Vamos lançar uma série, o Arcane, em 2021, e vamos trabalhar para atender às necessidades da nossa comunidade, agora em diferentes títulos e em diferentes plataformas.

AD – Sendo a mesma desenvolvedora do LOL, você pretende lançar outros modos dentro do Valorant igual o LOL?
Queiroz: Sim! Estreamos com um novo modo de jogo e a ideia é expandir essa experiência ao longo dos próximos anos, a exemplo do que fizemos com League of Legends.

  AD – A Riot pretende lançar novos personagens e outros mapas após o lançamento? 
Queiroz: Sim também! O é um jogo vivo, que será expandido de forma constante. Portanto, o jogador pode aguardar novidades, porque a ideia é oferecer muito conteúdo.