A Innova é uma empresa de inteligência em comunicação, ou seja, eles entendem o que as marcas precisam e guiam os movimentos que precisam ser feitos. A empresa acredita que seu papel seja identificar os movimentos e quais ferramentas são essenciais para os objetivos dos clientes. Por isso eles são “all around the brand”, ou seja: possui áreas 360º que vão além da propaganda, podendo então entregar todos os tipos de soluções para seus clientes.

Além de ser uma agência com mais de 20 anos, ela possui um ambiente pensado para estimular pessoas, ideias e conversas.  Durante esses anos pode juntar uma grande quantidade de conhecimentos em diversas disciplinas de comunicação. A agência foi feita de diferentes pessoas com diferentes perspectivas que trazem resultados surpreendentes. Em entrevista com Alexandre Carmona, sócio-diretor da empresa e early adopter de tecnologia, muito antes disso tudo virar moda, conversamos mais sobre a empresa e seus clientes: Wine (maior clube de vinhos do mundo); Vivo, HCor, Cummins, Mosaic, FMC, Saint-Gobain. 

A Innova entende que para aplicar tecnologia em cada área do negócio, ela precisa ser diferenciada. Em uma época onde ninguém falava de drones, a empresa trouxe para o mercado dois e acabaram se tornando pioneiros no mercado ao utilizar estas em filmagens amadoras. É muito importante trazer sempre inovação para os clientes, mas importante ainda e saber aplicá-lo em cada lugar que seja necessário, seja na ambientação, em ativação de marca ou infraestrutura “Atendemos a Vivo há bastante tempo e temos um grande conhecimento da marca, exploramos bastante toda a parte de tecnologia com eles na questão de infraestrutura, assim como aproveitamos nosso conhecimento para os nossos clientes do mercado agrícola.”

Dentro do ramo de publicidade você encontra diversas contas e clientes para atender, mas será que tem uma diferença entre atender agronegócio para outros segmentos.  Alexandre explica que existe muita diferença. “E essa diferença é o que me cativa para o nosso negócio. Nós precisamos ter a visão da propaganda e a visão técnica para atender com excelência. Esta unificação de visões é o que faz o diferencial ao atender segmentos tão específicos como o agro. Aqui na Innova nós temos especialistas que atendem as contas de agronegócio (Mosaic e FMC), capazes de criar os conteúdos adequados, entregando exatamente o que o cliente espera e muito mais.” disse Alexandre. 

Porém no mercado de comida é completamente diferente, principalmente quando estamos falando do mercado de comida e apenas delivery. São estratégias diferentes, principalmente como as pessoas nos entendem como marca. “Nós competimos com todos os deliveries, com o boteco da frente, com tudo. Chamar a atenção é o grande desafio. Ser a marca preferida precisa de um trabalho muito interessante de Business Intelligence. ” explica Alexandre, a Innova analisa o comportamento das pessoas e o que elas estão consumindo para entregar a mensagem da maneira correta.

Dentre todos os trabalhos já realizados pelo a empresa alguns cases ficaram famosos, como na campanha de Black Friday da Wine trazendo resultados elevados ao anterior. “Criamos 1800 conteúdos diferentes e a campanha superou metas do nosso cliente, ultrapassando os 140 mil assinantes ativos. Nós estamos sempre atentos em como usar, de maneira efetiva, as ferramentas e plataformas de mídia disponíveis para elevar e superar as metas de nossos clientes.” expôs Alexandre. 

A relação marca e público se alterou consideravelmente nesses últimos anos, Alexandre comenta que 2020 será um ano muito difícil para as assessorias e agências. Será necessário o cuidado extremo ao cuidar das marcas, quem não conseguir falar corretamente com seu público será excluído. As marcas não têm mais espaço para serem imperativas. Tudo está muito fácil ser condenado nas redes sociais e perder anos de construção de marca.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald