Inovar no segmento dos negócios é um dos maiores desafios para quem deseja empreender. No Brasil, um estudo do programa de pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) apontou um aumento do empreendedorismo por oportunidade no país. Entre os novos empreendedores brasileiros, 61,8% disseram que abriram o próprio negócio por ter identificado uma oportunidade de mercado.

Neste cenário em crescimento existem alguns empresários que investem na inovação e são verdadeiros criadores de novos negócios. Esse é o caso dos sócios do Portal dos Elétricos, Giuliano Pilagallo e Wellington, que acabam de anunciar ao mercado o lançamento do SmartMoov 2020, o primeiro módulo de energia autônomo do mercado brasileiro capaz de gerar, acumular e distribuir energia até 8 horas sem interrupções. Trata-se de um carro elétrico movido a baterias ou placas solares, com controle de comando.

Menor do que um foodtruck, o SmartMoov pode circular em ambientes abertos e fechados, além de rodar na rua ou calçada sem restrições. Por ser 100% elétrico, é um veículo sustentável e seu funcionamento ocorre através de energia limpa e renovável, não poluindo o meio ambiente. Seu design foi inspirado nos mais modernos carros de formula 1 no mundo, o que o torna atrativo e um minioutdoor para o negócio. O espaço visual nas laterais do carro, além do frontlight e a iluminação led integrados ao veículo, oferecem uma melhor visualização e divulgação da marca. A ideia é que o ponto de venda possa funcionar como um quiosque em shoppings, em eventos, na rua ou em outros locais de grande fluxo de pessoas.

De acordo com o sócio-fundador do Portal dos Elétricos, Giuliano Pilagallo, o equipamento pode ser utilizado para a instalação de forno de pizzas ou outros assados, farmácia móvel, sorveteria, loja de flores ou até mesmo como mídia urbana, já que além do visual lateral, que pode ser usado como painéis publicitários, o “veículo” conta com duas TVs acopladas em suas extremidades. “Paralelamente a isso, o poder público pode fazer uso do carro elétrico para campanhas de vacinação, medição de pressão, diabetes, indo até a casa das pessoas”, explica o executivo.

Compra ou locação do veículo

De olho numa fatia de mercado carente de opções inovadoras quando trata-se de ponto de venda, os criadores do SmartMoov, oferecem além da venda, o formato de locação dos veículos.

A iniciativa tem como objetivo aumentar a capilaridade do negócio e dar a oportunidade aos pequenos empreendedores de terem seu próprio negócio por um valor acessível. “Neste novo formato que criamos, o empreendedor vai alugar o carro, que será adaptado de acordo com suas necessidades, com um custo baixo por mês, se comparado a uma loja tradicional ou quiosque de shopping. Sem contar a mobilidade e fatores inovadores que o carro oferece como um diferencial competitivo’, explica”.

Para a compra, é preciso desembolsar entre R$ 45 mil e R$ 75 mil, dependendo da configuração. No caso do modelo com kit de placas solares no teto é preciso investir um adicional de R$ 12 mil. Já o formato de locação, exige um contrato de locação mínima de 24 meses, e o valor do aluguel varia entre R$ 2.800,00 a R$ 3,5 mil por mês.

A todo vapor

Embora o novo modelo de negócio tenha sido lançado no início do ano, os negócios andam muito bem. O SmartMoov 2020 já está sendo usado por grandes marcas como a rede de pizzarias Patroni, a gigante AMBEV, a inovadora empresa Éden Coco, entre outros parceiros de segmentos variados. Além disso, os fundadores já têm planos de internacionalizar o negócio. “Já temos contatos com empresas nos EUA, Europa e Africa do Sul”, conta Pillagalo.

Até o momento foi investido aproximadamente R$ 8 milhões na produção, criação e desenvolvimento do veículo que teve o seu primeiro protótipo criado em 2015. Até dezembro de 2019, a empresa projeta comercializar mais de 40 unidades do SmartMoov e prevê um faturamento de R$ 2,5 milhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald