A empresa Spotify lançou há algumas semanas sua primeira versão de filtro para bloquear conteúdos de músicas explícitas, após inúmeras reclamações dos pais. Apesar de permitir que o usuário informe quais músicas possuem conteúdo inadequado, o Spotify é retardatário na possibilidade da restrição deste conteúdo. Um pedido recorrente dos usuários do Spotify, a filtragem explícita, ainda está em desenvolvimento.

A Apple Music permite durante muitos anos que os usuários restrinjam a reprodução de conteúdo explícito por algum certo período. O Google Play também oferece a filtragem parcial do conteúdo explícito, permitindo que os usuários filtrem enquanto ouvem transmissões de rádio.

Indicação do conteúdo explícito do lado do nome da música

Possibilidade de bloqueio em contas individuais

 

O Spotify, além de vir atrasado na competição, ainda possui limitações em comparação com os outros serviços de streaming. A ferramenta apresenta restrições tais como a possibilidade de uso apenas em contas premiun ativadas pelo dispositivo móvel, além de não funcionar ao utilizar o Spotify Connect para reproduzir músicas em outro dispositivo. A Spotify afirma estar fazendo de tudo para que o filtro atinja mais usuários.
No momento, o novo filtro continua disponível apenas para usuários individuais, mas em conversa com a The Verge a marca diz ter iniciado os testes do filtro nos planos familiares.

Spotify, com certeza se destacará de seus concorrentes ao lançar a versão familiar, possibilitando aos pais terem o controle do conteúdo que os filhos andam escutando. A incapacidade de filtrar conteúdo explícito sempre foi um ponto de inflexão para os pais que estão decidindo qual provedor de música por streaming irão se inscrever.

A versão de teste familiar foi lançada na Irlanda, onde os pais poderão definir o filtro de conteúdo explícito nas contas de seus filhos, impedindo-os de escutar qualquer coisa que o Spotify marque como explícita. A capacidade de alterar o filtro será protegida por senha, significando que apenas os pais terão controle sobre a configuração.

O controle dos pais estará disponível para o usuário que tiver a conta principal do Plano Familiar e as subcontas não poderão ativá-lo e desativá-lo sem uma senha. O filtro pode ser controlado através do Family Hub.

Além do teste do filtro, o Spotify traz duas novidades para as contas familiares. Primeiramente eles anunciam o aumento da quantidade de membros no Plano Familiar de quatro para seis pessoas. No entanto esse acréscimo de membros vem com uma restrição, onde todos os membros devem morar no mesmo local.

E também revelam o novo Family Mix, que oferecerá uma lista de reprodução personalizada gerada a partir dos hábitos de escuta das contas na assinatura compartilhada. O Spotify afirma que o usuário poderá controlar as pessoas que participarão de cada sessão. Tudo indica que você poderá impedir que a playlist seja dominada pela obsessão por Sandy e Junior de um certo membro da família.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald