As melhores séries de 2021 (até agora)

Kedyna Fernanda
De WandaVision a Framing Britney Spears e Call My Agent, confira aqui o que 2021 já nos ofereceu de melhor no mundo das séries:

Os amantes de séries de TV vivem um ótimo momento. Em apenas quatro meses 2021 já nos presenteou com grandes séries. Confira a lista de Hugh Montgomery e Eddie Mullan com tudo que temos das melhores séries de 2021 até agora:

Unforgotten

Unforgotten (Credit: ITV)
Unforgotten (Créditos: ITV)

Com a fartura de dramas criminais, é difícil para qualquer nova série do gênero realmente se destacar, mas este excepcional esforço britânico faz com que pareça fácil – provando que o que você realmente precisa para elevar seu procedimento não são conceitos elevados ou eruditos, mas apenas uma escrita bonita e humana.

Através de três séries, o criador Chris Lang usou a premissa dos policiais DCI Cassie Stuart (Nicola Walker) e DS Sunny Khan (Sanjeev Bhaskar) investigando um assassinato de anos, mas recentemente descoberto, como uma forma de contar histórias poderosas de culpa, vergonha e arrependimento – e a quarta corrida deste ano, com foco na descoberta de um corpo que liga quatro ex-amigos, que já foram policiais em treinamento, não foi menos poderosa.

Enquanto isso, o verdadeiro destaque da série continua sendo a incrível atuação central de Walker, um dos atores de tela mais naturais e orgânicos que existe. Extraordinário por ser tão comum, Stuart não é um tipo de detetive torturado, mas um profissional excepcional, simpático, mas compreensivelmente atormentado, tentando fazer o seu melhor – e sem ceder a nada, esta série nos fez valorizá-la, e a Walker, mais do que nunca. Disponível no ITV Hub no Reino Unido, as temporadas 1, 2 e 3 também estão disponíveis no Amazon Prime em todo o mundo.

Framing Britney Spears

Framing Britney Spears (Credit: Sky Documentaries)
Framing Britney Spears (Créditos: Sky Documentaries)

Raramente você vai encontrar uma série que pareça tão importante quanto este documentário produzido pelo New York Times sobre o ícone pop e o sofrimento ao longo de sua carreira de duas décadas em todos os sentidos: a imprensa e os paparazzi, a indústria da música, sua própria família e associados e todos que prontamente consumiram seu sofrimento público como entretenimento.

Quando estreou em fevereiro, foi um catalisador para discussões muito mais ampla sobre sexismo coletivo aos olhos do público – uma conversa que continuou com a série do Youtube, Dancing with the Devil de Demi Lovato, sua colega cantora e superestrela. Disponível no Brasil no Globoplay.

It’s a Sin

It's a Sin (Cred: Channel 4)
It’s a Sin (Créditos: Channel 4)

A série The Normal Heart to Angels in America, foi uma de obras marcantes sobre a crise da AIDS nos Estados Unidos na década de 1980, mas não o suficiente para o contexto da pandemia – que é o que torna a exploração de Russell T Davies em seis partes o que estava acontecendo no Reino Unido na época, muito bem-vindo.

A série é uma co-produção com a HBO, é uma mistura perfeita de comédia, tragédia e sucessos pop, que talvez mostre um brilho único de Davies como escritor melhor do que qualquer série que ele fez antes: ou seja, sua habilidade particular de combinar o imenso calor e a simplicidade de uma novela britânica clássica com uma raiva justa que gradualmente se desdobra de repente.

Um belo grupo de jovens inclui Olly Alexander, Callum Scott Howells e Omari Douglas como o trio protagonista de jovens gays, que se mudam para a cidade grande e sem ideia do que está por vir, enquanto são apoiados por uma excelente seleção de nomes mais experientes, o melhor de tudo sendo Neil Patrick Harris como um alfaiate travesso de Savile Row. Disponível no Brasil na HBO Max.

WandaVision

WandaVision (Credit: Disney+)
WandaVision (Créditos: Disney+)

Com a Disney estendendo seu universo cinematográfico Marvel para a tela pequena, ela não poderia realmente ter criado um anúncio melhor para as possibilidades criativas adicionadas nele. Esta série limitada de nove episódios maravilhosamente surreal é centrada na vingadora Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen), enquanto ela se vê vivendo em um universo alternativo em constante evolução, modelado em várias sitcoms ao longo das Eras, ao lado de seu marido robô, Visão (Paul Bettany), até então pensado para ser destruído.

Os primeiros episódios foram tão divertidos como um programa de sitcom. No entanto, ainda conta como o movimento mais ousado da MCU, parte que gerou grande repercussão e ecplorou sentimentos comoventes do público.

Olsen e Bettany surfam nessas mudanças com maestria como o casal protagonista, embora a favorita (e a que gera os memes) seja Kathryn Hahn a maior parte do tempo como a vizinha extremamente entusiasmada de Agnes. A série está disponível na Disney + internacionalmente.

Call My Agent

Call My Agent (Credit: Netflix)
Call My Agent (Créditos: Netflix)

A TV francesa está passando por um bom momento, com diversas séries repercurtindo internacionalmente – e a principal delas é esta comédia dramática sobre uma agência de talentos de Paris, cuja quarta temporada estreou internacionalmente na Netflix em janeiro, após ser transmitida na França no final do ano passado.

Seu conceito central é que cada episódio apresenta um cliente particular, que é na verdade uma estrela da vida real interpretando a si mesmo – e pela primeira vez, esta nova temporada olhou além da França para suas participações especiais, com uma participação especial do melhor de Hollywood, Sigourney Weaver.

Fora isso, porém, era um negócio deliciosamente ácido como de costume; como observou o editor de artes da BBC, Will Gompertz, “mantém os mesmos níveis rarefeitos de excelência dos três anteriores, enquanto nossos ousados ​​e cada vez mais sitiados agentes lutam com o ogro corporativo que é a StarMédia, uma série de atores recalcitrantes e – principalmente – cada um outro.”

Mas embora também fosse considerada a temporada final, os fãs ficarão felizes em saber que houve uma suspensão da execução: uma quinta temporada e um filme independente acabaram de ser confirmados. Disponível na Netflix internacionalmente.

The Investigation

The Investigation (Credit: BBC Four)
The Investigation (Créditos: BBC Four)

Em seis episódios detalhados e sóbrios, nunca encontramos o assassino – e não ouvimos seu nome. Nesta versão da investigação da vida real sobre o assassinato do jornalista sueco Kim Wall, o ator de Borgen Søren Malling lidera o elenco como Jens Møller, o severo Chefe de Homicídios da polícia de Copenhagen. Ao lado do promotor-chefe Jakob Buch-Jepsen (também estrela de Borgen, Pilou Asbæk), Møller trabalha sem parar para provar, além de qualquer dúvida razoável, que Wall, visto pela última vez ao entrevistar um inventor para uma história sobre um submarino caseiro no porto de Copenhague, foi de fato assassinado.

Ao contar a história de como as pessoas trabalharam juntas para resolver um crime, sem reproduzir o crime hediondo em si, a dramatização sutil do diretor Tobias Lindholm do “caso do submarino” se tornou uma reinvenção radical do gênero do crime verdadeiro.

Em um podcast dos bastidores, Lindholm explicou que, ao focar nos profissionais – os mergulhadores, os forenses, os investigadores – fazendo sacrifícios e perdendo um tempo importante com a família para fazer o trabalho incansavelmente, era uma forma de “humanizar os desumanizados … E oferecer um confronto com nossos comportamentos como consumidores de mídia ”. Disponível agora no BBC iPlayer no Reino Unido e HBO Max nos EUA.

Resident Alien

Resident Alien (Credit: Sky Atlantic)
Resident Alien (Créditos: Sky Atlantic)

Muito mais engraçado do que sua premissa aparenta, esta comédia dramática baseada na série de quadrinhos Dark Horse forneceu escapismo muito necessário e se tornou o novo drama de maior audiência de Syfy nos últimos anos.

Alan Tudyk (Firefly) estrela como Harry Vanderspeegle – nome real impronunciável – um alienígena que, após um pouso forçado nas montanhas fora da pequena cidade de Patience, Colorado, matou e assumiu a forma física do primeiro homem que encontrou. Depois de um período sozinho em uma cabana de pesca, aprendendo inglês ao assistir às repetições de Law & Order, descobrimos que a missão secreta de Harry na Terra é destruir a humanidade – mas ele perdeu seu dispositivo de detonação nas montanhas, então ele precisa se assimilar em sua nova casa para ganhe algum tempo para descobri-lo.

Tudyk revela de forma brilhante a personalidade imperfeita do alienígena, alternando entre a comédia e a ameaça com facilidade, enquanto seguimos Harry posando de forma pouco convincente como um médico humano. As coisas, no entanto, estão indo como planejadas, até que Harry se envolve em resolver um assassinato local (“Chung chung!”), trazendo-o para mais perto dos habitantes da cidade e especialmente da colega de trabalho Asta (Sara Tomko), enquanto ele também descobre o amor por pizza.

Conforme o tempo passa, Harry começa a lutar com o dilema moral de sua missão. Disponível agora na Sky / Now TV no Reino Unido, na SyFy nos EUA e no Brasil a série aind anão está disponível.

Lupin

Lupin (Credit: Netflix)
Lupin (Créditos: Netflix)

Um dos primeiros programas de sucesso do ano foi a deliciosa comédia francesa de assalto, inspirada nas histórias clássicas do ladrão Arsène Lupin, escritas no início do século XX.

Muitos se empolgaram com a série de cinco episódios esperta e veloz (os cinco restantes estão programados para acontecer ainda em 2021), e não é difícil ver por quê: o ator Omar Sy exala charme como Assane Diop, um vigarista imponente com o estilo suave de James Bond e a inteligência de Sherlock Holmes, que sai para vingar seu pai por uma injustiça infligida por uma família rica.

Como filho único de um imigrante senegalês que veio para a França em busca de uma vida melhor, seu pai é acusado de roubo de um colar de diamantes por seu poderoso empregador, Hubert Pellegrini. Depois que seu pai morre na prisão, o adolescente Assane fica órfão.

Quando conhecemos Assane 25 anos depois, inspirado por um livro sobre um certo ladrão cavalheiro que seu pai lhe deu no seu aniversário, nosso herói começa a consertar um erro, usando seu domínio do disfarce e do subterfúgio. Essa é uma das séries brilhantes originais da Netflix.

*matéria publicada na BBC por Hugh Montgomery e Eddie Mullan

Total
2
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Post anterior
Facebook lança ferramentas para competir com Clubhouse

Facebook lança ferramentas para competir com Clubhouse

Próximo post

A quase certeza do melhor ator do Oscar 2021

Posts Relacionados

Por favor, desabilitar Adblock para visualizar conteúdo do site.