Skip to main content

O Google, em sua jornada para reduzir a pegada digital, se depara com um grande desafio: o crescente consumo de energia da inteligência artificial. Apesar de sua meta de alcançar emissões líquidas zero até 2030, o relatório ambiental anual da empresa revelou um aumento preocupante de 48% nas emissões de gases de efeito estufa desde 2019. Esse crescimento é impulsionado principalmente pelos centros de dados que suportam seus produtos de IA, como o Gemini, exigindo cada vez mais eletricidade e gerando emissões.

O consumo de energia por esses centros e as emissões da cadeia de suprimentos são os principais responsáveis por esse aumento. A Agência Internacional de Energia estima que a demanda por eletricidade dos centros de dados pode dobrar até 2026, exigindo um consumo equivalente ao do Japão. Estima-se que a inteligência artificial possa consumir 4,5% da geração global de energia até 2030.

Essa fome por energia coloca em xeque a meta de emissões líquidas zero do Google. A Microsoft tem enfrentado desafios semelhantes, com o presidente Brad Smith admitindo que a estratégia de IA da empresa comprometeu sua meta de carbono negativo.

Apesar dos desafios, Bill Gates, cofundador da Microsoft, sugere que a inteligência artificial pode ser uma aliada na luta contra as mudanças climáticas. Empresas de tecnologia podem investir em energia renovável para seus centros de dados, reduzindo o impacto ambiental. No entanto, o uso intensivo de energia e as emissões associadas à fabricação e transporte de servidores e chips colocam essa promessa em risco.

Além do consumo de energia, o uso de água também é uma questão relevante. Estima-se que a IA possa ser responsável por até 6,6 bilhões de metros cúbicos de uso de água até 2027, quase dois terços do consumo anual da Inglaterra.

O futuro da inteligência artificial depende de medidas sustentáveis. O desenvolvimento dessa tecnologia deve ser feito de forma responsável, garantindo que seu potencial para o bem não seja comprometido pelo seu custo ambiental.

*Com informações do The Guardian

Acompanhe o ADNews no Instagram e LinkedIn.
#ADDSomethingNew #ADNewsOficial #ADGroupBR