Segundo a Socialbakers, a Jurupinga é a marca mais amada pelo público, no Facebook. A marca de bebidas criada em 1987 já bate grandes marcas como Ambev, Heineken e Jack Daniel’s, e muito desse resultado é por conta de seu marketing eficiente e multidisciplinar que vem conquistando cada vez mais todos os públicos. 

Com uma grande agilidade e uma maior percepção do que está acontecendo no mundo, a marca conquistou uma legião de fãs em um longo processo de comunicação. Neste momento em que todos estão em casa, a Jurupinga assume um compromisso com o público para animar ainda mais o happy hour virtual, as festas on-lines e as grandes live shows. Hoje, a fanpage da marca no Facebook conta com 1,5 milhão de seguidores, e é líder de engajamento entre as indústrias de bebidas do país!

Nós conversamos com Diego Burgo, gerente de marketing da Jurupinga, que nos contou um pouco mais sobre os processos cuidadosos da marca para manter sua relação com o público, seguir com a sua excelência nas indústrias com sua bebida de característica única no mercado, e todo o reflexo da pandemia para a Jurupinga. Confira a entrevista:  

 

ADNEWS – A partir de qual momento vocês se depararam que a Jurupinga alavancaria?   
Diego Burgo: Percebemos uma maior proximidade de nosso público por meio das interações nas redes sociais, desde o surgimento do Orkut. Ficamos, também, surpresos de uma forma muito positiva quando vimos que estávamos em primeiro lugar no ranking das bebidas mais amadas, de acordo com a consultoria Socialbakers.  

  

AD Quando se depararam que a Jurupinga era uma marca amada pelo público? Foi tudo de uma hora para a outra?   
Burgo: Não, foi um processo consistente e gradativo. Acreditamos que o sucesso decorre da expertise que adquirimos no setor, principalmente da percepção das oportunidades de mercado e o entendimento das expectativas do nosso público em relação a novos produtos. Com muita persistência e determinação, vislumbramos as melhores oportunidades de mercado de forma estratégica, administrativa e comercial, ao longo de uma trajetória de 32 anos.  

 

AD – Antes de se tornarem a famosa Jurupinga, como a marca lidava com seu público? Qual era a melhor ‘estratégia de marketing’ para conversar com o público? 
Burgo:
A Jurupinga foi uma bebida de grande aceitação desde o seu início, junto ao seu público. E a marca, por suas características e qualidades, se beneficiou muito da melhor das ferramentas de marketing: o boca a boca.  A presença da bebida em festas universitárias e eventos, de médio a grande porte, ampliaram esse alcance. 

As redes sociais, igualmente, possibilitaram uma divulgação espetacular, mostrando o engajamento e a sinergia do público com a marca. 

Nossa distribuição em grandes redes supermercadistas, atacadistas, bares, padarias, lanchonetes e casas noturnas, contribuíram para a nossa trajetória até o atual momento vivido. E ainda destacamos o posicionamento do nosso custo x benefício, uma vez que somos uma marca acessível, com qualidade garantida.  

  

AD – A marca conta com um excelente trabalho em suas fábricas, como vocês conquistaram essa excelência? Qual é o tamanho da preocupação industrial da Jurupinga?
Burgo: A empresa conta com uma capacidade de produção diária de até 50 mil litros/dia.
Possuímos um laboratório de análises enológicas automatizado, com os equipamentos mais modernos do mundo. Nossa linha de produção passa por revisões diárias e manutenções preventivas semanais, que resultam em uma maquinabilidade com eficiência superior a 98%. 

Atualmente, 100% dos resíduos de produção são reciclados: as embalagens plásticas que acondicionam as tampas, as aparas de papelão, o liner do rótulo autoadesivo e as garrafas quebradas. Além disso, os resíduos produzidos são separados pelos funcionários entre o que é reciclado e o que é orgânico.  

Temos um projeto que está em planejamento chamado JuruEco com a meta Lixo Zero, que deve contar com a instalação de biocompostores para a reciclagem de todo o lixo orgânico e conversão em adubo, que será utilizado em nossas hortas.  

  

AD – Com a chegada da pandemia, como ficou a produção da Jurupinga? Tiveram pausas?  
Burgo: Adotamos todas as medidas de distanciamento dentro das áreas internas como produção e refeitórios, criamos turnos diferentes, a instalação de tapetes esterilizantes, o uso de máscara por todos os funcionários e o posicionamento de totens com álcool em gel. A fábrica ficou fechada nas três primeiras semanas, assim que foi decretado o isolamento. Em seguida, adotamos as medidas de segurança e as operações foram retomadas dentro da rotina normal, respeitando as novas cargas horárias e priorizando o bem-estar e segurança de todos.  

 

AD – Agora, com todos em casa, por conta do distanciamento, o que nos resta é se divertir com o ‘happy hour virtual’. Como a Jurupinga pensa em entrar na casa das pessoas e permanecer sendo a queridinha do público?  
Burgo: Notamos que já estamos muito presentes nas casas das pessoas, por meio de festas online, happy hours virtuais e, principalmente, como acompanhamento das diversas ‘lives’ de cantores e bandas de grande destaque na cena musical.

A Jurupinga é bem versátil e pode ser consumida pura gelada, ou com gelo. Dizemos que Jurupinga combina com tudo e dentro disso, nossos Jurulovers descobrem, cada vez mais, novas formas de aplicação como em tortas, bolos, pudins, pizza, carnes, além de drinks inusitados para festas e eventos, como o Baldinho da Folia, um drink preparado com frutas dentro de um balde comum.