A Ampro – Associação de Marketing Promocional, bem como os players envolvidos com o mercado de eventos estão comemorando a assinatura do protocolo de reabertura dos setores de cultura da cidade realizada hoje pelo prefeito de São Paulo, Bruno Covas.

Entre os setores atingidos está o de eventos que vinha lutando para que isso acontecesse. Pela regra assinada está autorizada eventos para até 600 pessoas como convenções, seminários, workshops, palestras e feiras, mas as festas continuam temporariamente proibidas. Eventos que recebam um público superior a 600 pessoas precisarão de uma autorização especial da gestão municipal, mas o limite é para até 2 mil pessoas.

Durante a cerimônia, que contou com a presença do presidente executivo da Ampro, Alex Pagliarini, o prefeito Bruno Covas ressaltou que “muito mais do que ter a prefeitura falando o que deve e o que não deve ser feito num momento de retomada, parte do segredo tem sido ouvir cada setor que a gente tem autorizado a reabertura para dizer de que forma as regras de isolamento, de proteção às pessoas, aos clientes, aos funcionários devem ser observadas”.

No entanto Covas afirmou que a liberação depende da mudança da fase amarela do Plano SP de flexibilização econômica, para a verde. Isso deve acontecer no dia 9 de outubro. O decreto assinado pelo Prefeito, Bruno Covas, será provavelmente publicado em 13 de outubro.

O protocolo, no entanto, para que o setor já possa se preparar para retomar, já foi definido. As principais normas para eventos com até 600 pessoas são:

· Submeter todos os ambientes do estabelecimento a um intenso processo de desinfecção prévia;

· Submeter todos os funcionários, diariamente, à triagem rápida;

· Sugerir ao público a chegada com 1 hora de antecedência;

· Reduzir a ocupação do local para 60% de sua capacidade máxima;

· Se houver revista, só poderá ser feita por detectores de metais;

· Estimular a distância de 1,5 m entre os participantes, inclusive realizando marcações no piso nos locais onde são formadas filas, como nos balcões de atendimento, caixas de pagamento e sanitários;

· Se houver mesas, não poderão comportar mais do que 6 pessoas e deverão preservar um distanciamento mínimo de 1m entre cadeiras de mesas diferentes;

· Todos os clientes deverão sujeitar-se a medição de temperatura;

· Restringir o uso do elevador à pessoas com deficiência ou dificuldade de locomoção; · Instalar barreira de proteção acrílica nos caixas, balcões de atendimento, credenciamento, pontos de informação, recepções e similares;

· Organizar e comunicar que a saída do público será escalonada, evitando aglomerações.