Jogos online são o novo escritório de terapia

Jogos multiplayer online e single-player podem ser curativos nas mãos de profissionais de saúde mental.

Nas primeiras semanas da pandemia, Monet Goldman tentou diferentes estratégias para lidar com o estresse. “Eu estava me exercitando, meditando, fazendo ioga”, diz Goldman, um licenciado em terapia familiar e casamento em Santa Clara, Califórnia. Mas ele não começou a se sentir melhor até que se voltou para um passatempo familiar: videogames. No mundo brilhante e envolvente dos jogos online, Goldman encontrou consolo – e começou a se divertir novamente. Enquanto ele e seus colegas lutavam para se conectar com os clientes virtualmente, ele se perguntava se os jogos também poderiam ajudar seus pacientes.

Jogos online são o novo escritório de terapia

Goldman começou a treinar outros médicos para usar jogos online em seu trabalho, começando com Roblox, uma plataforma com milhões de jogos que é especialmente popular entre crianças de 5 a 12 anos nos Estados Unidos. Em uma sessão de Zoom com dois meninos do ensino fundamental, Goldman deu 1o pontapé inicial pedindo às crianças que nomeassem seu jogo Roblox favorito. No início, “é como o silêncio do rádio. Todos estão com as câmeras desligadas ”, diz Goldman. Eventualmente, um menino mencionou Brookhaven, um RPG ambientado em uma cidade movimentada. Logo as crianças estavam conduzindo uns aos outros com entusiasmo pelo espaço do jogo, esquecendo sua timidez.

Como a ludoterapia convencional, que usa brinquedos para ajudar os pacientes a expressar pensamentos e sentimentos, os jogos online oferecem outra forma de comunicação. Para algumas pessoas que ficam ansiosas com sua aparência ou fala, jogar é uma oportunidade de descobrir “uma voz em suas diferentes formas”, seja por meio de avatares, obras de arte ou outras criações digitais, diz Goldman. Ele percebeu que as crianças que lutavam com a terapia pessoal começaram a ganhar vida e desenvolver mais confiança em um ambiente virtual. “Esse foi o maior benefício”, diz ele. Hoje, Goldman aconselha crianças, adolescentes e adultos, incorporando uma mistura de jogos e psicoterapia.

Embora o reaproveitamento de videogames para uso terapêutico não seja novo, o interesse dos médicos nesse formato cresceu significativamente depois que a pandemia levou a uma mudança abrupta para a telessaúde. “Muitos terapeutas estavam pirando”, diz Josué Cardona, fundador da Geek Therapy, uma organização sem fins lucrativos que defende o uso de videogames e outras mídias populares. Em dezembro de 2019, o grupo da Geek Therapy no Facebook tinha pouco menos de 1.000 membros, de acordo com Cardona; agora tem mais de 5.400. Os médicos usam os jogos online de maneiras diferentes, desde juntar clientes em plataformas como Roblox ou Minecraft até fazer com que os pacientes joguem independentemente para um propósito terapêutico específico.

Como os jogos podem ajudar

“Os videogames têm essa maneira de chamar a atenção e mantê-la”, o que pode ser o primeiro passo para ajudar os pacientes a controlar pensamentos angustiantes, diz Aimee Daramus, psicóloga clínica e autora de Understanding Bipolar Disorder. Em seu trabalho com adultos com doenças mentais crônicas, incluindo ansiedade, depressão e esquizofrenia, Daramus usa videogames como uma ponte para outras habilidades de enfrentamento. Se alguém é dominado por pensamentos intrusivos durante uma sessão, jogar um videogame por alguns momentos pode ajudar a reduzir a ansiedade. Nesse ponto, explica Daramus, uma estratégia como a consciência plena torna-se muito mais acessível ao paciente.

Algumas pesquisas sugerem que os videogames podem ser tão eficazes – e potencialmente mais eficazes – quanto outras intervenções de saúde mental, especialmente para ansiedade. Um estudo de 2017 publicado na Prevention Science descobriu que o jogo MindLight foi tão eficaz quanto um programa de terapia cognitivo-comportamental na redução da ansiedade das crianças. Em outro estudo, a prescrição de jogos de videogame diminuiu a ansiedade dos pacientes mais do que adicionar um segundo medicamento ao tratamento.

Embora alguns jogos sejam projetados para destacar lutas de saúde mental – por exemplo, Sea of ​​Solitude retrata um personagem enfrentando depressão e solidão – jogos casuais destinados ao entretenimento também podem ser benéficos. Em um estudo de 2009 publicado na PLOS One, os pesquisadores descobriram que jogar o jogo Tetris depois de ver um filme traumático pode reduzir os flashbacks nas pessoas, diminuindo o risco de transtorno de estresse pós-traumático. O jogo, com efeito, “hackea atenção e memória para impedir que alguém repasse, repasse e repasse essas memórias enquanto o cérebro as está formando”, diz Daramus.

E às vezes é dentro dos limites digitais do mundo do jogo que os pacientes podem se sentir mais seguros e livres para lidar com emoções intensas. Kim Wheeler Poitevien, uma assistente social clínica licenciada na Pensilvânia que aconselha crianças e adolescentes, viu mais pacientes negros jovens gravitarem em direção a jogos como Fortnite em resposta à violência racial durante o verão de 2020. As crianças tinham “medo da polícia”, então a ideia foi: “Eu quero me proteger”, diz ela. “Eles tinham essas histórias de como são boas pessoas, mas a polícia pensa que são maus.”

Os jogos também podem ajudar a desenvolver habilidades de regulação emocional. Poitevien cresceu em uma família de jogadores e jogou Atari quando era criança. Hoje ela costuma jogar videogame com seus clientes durante as sessões, mas ela não apenas os deixa vencer. “Somos competitivos, vamos.” Essa pode ser uma oportunidade para as crianças praticarem a “tolerância à frustração”, diz ela, se, por exemplo, estiverem perdendo para ela em um jogo de Mario Kart. E lidar com falhas inevitáveis, como quando um jogo atrasa ou expulsa o jogador, ajuda as crianças a desenvolver a paciência.

Os jogos online têm sido um recurso suplementar crítico durante a pandemia. “Todo terapeuta que conheço está extremamente lotado no momento”, Daramus me disse. Quando os clientes não conseguem vê-la imediatamente ou querem praticar técnicas de enfrentamento entre as sessões, ela costuma prescrever jogos com foco na saúde mental, como Sea of ​​Solitude, Night in the Woods e Gris.

Problemas com o vício em jogos online

Alguns especialistas expressaram preocupação com o tempo de tela e o vício em jogos online, especialmente em crianças. Recentemente, a China endureceu seus já rígidos regulamentos que limitam o tempo de jogo online para crianças menores de 18 anos. Embora a Organização Mundial de Saúde reconheça os distúrbios do jogo como uma condição, as estimativas de sua prevalência variam. Uma revisão de 53 estudos em 2020 determinou que a prevalência mundial do distúrbio é de aproximadamente 3% dos jogadores.

Larry Rosen, professor emérito e ex-presidente do Departamento de Psicologia da California State University, Dominguez Hills e co-autor de The Distracted Mind: Ancient Brains in a High-Tech World, diz que os jogos podem promover a modificação de comportamento que pode se transformar em um vício. Quanto mais jogamos, mais substâncias químicas nos fazem sentir bem – principalmente dopamina, serotonina e outras substâncias químicas, diz Rosen.

Por outro lado, o jogo pode nos ajudar a nos livrar de sentimentos indesejáveis, principalmente a ansiedade. A seqüência diária de login – um conceito popularizado (mas de forma alguma originado por) Snapchat – é um exemplo perfeito. “Você mantém a seqüência porque está ansioso”, diz Rosen. “Você quer ser responsável e cumprir suas obrigações sociais.” Quando fazemos login para manter a seqüência viva, aquela sensação desagradável começa a se dissipar.

Em última análise, os jogos online são incrivelmente envolventes porque seu sucesso depende de chamar nossa atenção. Quanto mais jogamos, maior é a probabilidade de comprarmos algo e mais dinheiro as empresas de jogos ganham. “O resultado final é que o objetivo deles é mantê-lo lá”, diz Rosen.

Enquanto permanecem atentos às possíveis armadilhas do jogo, os terapeutas têm o cuidado de evitar estigmatizar a atividade. Em vez de dizer a um cliente para parar de jogar, Poitevien descobre que uma abordagem mais eficaz é falar sobre equilíbrio. Ela pode perguntar: “Como você se sente quando joga videogame até as 4 da manhã? Quais são as consequências naturais disso?”

Goldman concorda. Ele não gosta da palavra “viciante” para descrever o jogo, mas reconhece o potencial para se voltar para hábitos prejudiciais. Se abusarmos do jogo como estratégia de enfrentamento, uma vez que sairmos “ainda ficaremos com os mesmos problemas que estávamos evitando”, diz ele. E esses desafios provavelmente “tornaram-se ainda maiores porque passamos mais tempo jogando e menos tempo, talvez, candidatando-se a esse emprego, indo para a escola”.

Por trás da pandemia

À medida que os jogos online continuam a crescer, os médicos precisam de diretrizes éticas mais rígidas sobre seu uso, diz Daramus. O desafio é garantir que “não façamos terapia da maneira que seja divertida para nós; fazemos terapia da maneira certa para o cliente ”, diz ela. Se um paciente deseja passar a sessão inteira jogando Animal Crossing, como o médico vincula essa atividade a um objetivo de tratamento específico – por exemplo, aprimorar habilidades sociais ou desenvolver tolerância ao sofrimento?

Mesmo quando a pandemia finalmente termina e o aconselhamento pessoal pode ser retomado, os médicos veem razões para manter os jogos online em seus kits de ferramentas. Se a terapia da conversa tradicional falhou, o jogo pode ser uma oportunidade crucial de última hora para ajudar os pacientes. Goldman recebe regularmente ligações de pais de alunos do ensino médio e universitários que odiavam terapia, mas ainda precisavam falar com alguém. As famílias o encontram por causa de sua abordagem sem julgamentos e entusiasmo pelos jogos.

“A terapia pode ser intimidante e difícil”, diz Goldman. Conectar-se a pacientes no mundo dos jogos, onde eles se sintam seguros, pode fazer uma grande diferença, mesmo que isso signifique oferecer um encontro em um servidor do World of Warcraft. “O que for preciso para você entrar.”

Matéria traduzida de Wired.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Post anterior
Nespresso lança podcast em projeto de treinamento remoto para força de vendas

Nespresso lança podcast em projeto de treinamento remoto para força de vendas

Próximo post
Susan Arnlord, nova presidente da Disney

Disney elege mulher como presidente pela primeira vez

Posts Relacionados