Transformação Digital: previsões otimistas para 2020

Leonardo Dominguez Dias é Mestre e engenheiro de computação pela Poli-USP com intercâmbio na universidade do estado da Califórnia USA.

Apesar das turbulências do cenário econômico brasileiro, em 2020, os investimentos globais com TI devem ter uma recuperação acentuada, comprovando que a tecnologia está, de fato, virando protagonista dos processos das empresas na era digital.

O crescimento do mercado de TI (hardware, software e serviços) previsto para 2019 foi de 1,3% e irá acelerar em 2020, com aumento de 4,8%. A projeção é da consultoria IDC.

Já o mercado de telecomunicações encerrará 2019 com baixa de 3,5% e começará a se recuperar em 2020, crescendo quase dois pontos percentuais.

Para o Brasil, a IDC prevê crescimento de 4,5% para o mercado de TI, em 2020, e 0,2% para o mercado de telecomunicações. O País deve investir

US$ 48 bilhões em TI e US$ 41 bilhões em serviços de telecomunicações no próximo ano.

Na Jornada Digital continuam valendo todas as fichas

Compartilho 5 destaques dos especialistas em tecnologia da IEEE Computer Society, apresentando o que acreditam ser as tendências tecnológicas mais amplamente adotadas em 2020. Mas vale a pena a leitura do artigo na íntegra para entender o que nos aguarda logo ali adiante:

1 – Machine Learning e IA nas pontas. Chips e dispositivos como câmeras, mesmos desconectados terão capacidade de serem treinados para executar funções específicas como contar pessoas, veículos, insetos e detectar comportamentos anormais em locais públicos.

2 – Cada vez mais os conceitos de gêmeos digitais serão utilizados e os primeiros gêmeos digitais cognitivos estarão sendo testados em 2020. Além do modelo digital de um objeto físico a capacidade de processar “pensamentos”, e adquirir conhecimento para tomar decisões acrescentará uma camada mais sofisticada de aplicação dessa tecnologia.

3 – Cibersegurança: aplicação de Inteligência Artificial e Machine Learning devem ser empregados para detectar ameaças e oferecer recomendações aos analistas de segurança.  A colaboração entre governos, indústria e academia deve gerar recursos para aplicação da IA e ML nas questões de cibersegurança e escala global;

4 – Computação quântica. A utilização da física quântica na construção de dispositivos eletrônicos e o avanço do processamento dos computadores deve apresentar novos resultados em 2020, mas ainda será uma ciência em desenvolvimento. No entanto, os ganhos que a sociedade pode ter com a tecnologia quântica devem incentivar empresas e pesquisadores a continuar investindo em seu desenvolvimento

5 – Sistemas inteligentes e autônomos continuam atraindo investimentos para tornar cidades inteligentes, meios de transporte automatizados e robôs cada vez mais geniais. Na mesma proporção que a adoção deve crescer os cuidados com a segurança e a confiabilidade desses sistemas crescerá também afim de evitar acidentes envolvendo pessoas e o meio ambiente.

 

Das 12 tendências apresentadas essas 5 devem impactar empresas e sociedade de forma mais assertiva.

Além das tendências tecnológicas citadas acima, um assunto que deve consumir investimentos das empresas brasileiras é a necessidade de adequação à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), cuja vigência prevista para agosto de 2020. Consultorias para mapeamento de processos, ferramentas para mapeamento de dados, esforço de adequação sistêmico e gastos com escritórios de advocacia são alguns exemplos de contratação que demandará necessidade de investimentos.

É importante valorizar que cada empresa tenha a jornada digital que necessite: simples, incremental e eficaz.  É importante lembrar que essa Jornada Digital não se constrói somente com tecnologias emergentes e modelos disruptivos. Muito do que as empresas já utilizam é o caminho para a evolução. Fica como recomendação para o planejamento de 2020 a definição de critérios maduros para guiar onde priorizar o investimento tendo a segurança, a busca por  estabilidade operacional e a experiência do usuário como preferências.

E para fechar esse artigo confira as dez previsões da IDC:

1 – Em 2020, 80% das lideranças executivas de TI serão compensadas com base nos KPIs e métricas de negócios que medem a eficácia da TI na geração de desempenho e crescimento de negócios, e não com base em medidas operacionais de TI.

2 – Em 2020, 60% dos CIOs iniciarão uma estrutura de confiança digital que irá além da prevenção de ataques cibernéticos e permitirá que as organizações se recuperem de forma resiliente de situações, eventos e efeitos adversos.

3 – Até 2021, impulsionados pelas necessidades das áreas de negócio, 70% dos CIOs fornecerão “conectividade ágil” por meio de APIs e arquiteturas que interconectam soluções digitais de fornecedores de nuvem, desenvolvedores de sistemas, startups e outros.

4 – Até 2021, compelidos a reduzir os gastos com TI, melhorar a agilidade corporativa e acelerar a inovação, serão adotados, de maneira agressiva, dados e IA às operações, ferramentas e processos de TI.

5 – Em 2021, muitos expandirão as práticas de Agile/DevOps para áreas de negócio, a fim de alcançar a velocidade necessária para inovação, execução e mudança.

6 – Até 2022, 65% das empresas deverão transformar e modernizar as políticas de governança para aproveitar as oportunidades e enfrentar os novos riscos impostos pela inteligência artificial, o machine learning e a privacidade e ética dos dados.

7 – Até 2022, 75% das estratégias digitais bem-sucedidas serão construídas por um departamento de TI transformado, com infraestrutura, aplicativos e arquiteturas de dados modernizados e racionalizados.

8 – Até 2022, 75% das organizações que não capacitarem as equipes de produtos de TI para permitir a inovação, a disrupção e a escala digitais falharão em suas funções.

9 – Até 2022, o conjunto de talentos para tecnologias emergentes será inadequado para preencher pelo menos 30% da demanda global e o desenvolvimento e retenção eficazes de habilidades se tornarão estratégias diferenciadoras.

10 – Em 2023, 70% dos das companhias que não puderem gerenciar a governança, a estratégia e as operações de TI, dividindo-as entre a computação de ponta, dominada pelas áreas de negócio, e a tecnologia operacional, falharão profissionalmente. 

 

Fonte: IDC

Fonte: https://www.computer.org/press-room/2019-news/ieee-computer-societys- top-12-technology-trends-for-2020

Por Leonardo Dominguez Dias é Mestre e engenheiro de computação pela Poli-USP com intercâmbio na universidade do estado da Califórnia USA. Atualmente é diretor da empresa Evo Systems, empresa especialista em inovação em TI e professor de pós graduação no Mackenzie e no PECE USP. Tem experiência na área de Engenharia da Computação, com ênfase em Arquitetura de Sistemas de Computação, projetos de implantação de fábricas de software e gestão de projetos de desenvolvimento de software e inovação.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Post anterior

Master Custom Class Mentoring: Pós-graduação pioneira dá autonomia

Próximo post

Ubisoft adquire Kolibri Games e inflama mercado de jogos mobile

Posts Relacionados